VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

Tenho também CDs de áudio para Educação Infantil e Fundamental I, cartazes em EVA e livros infantis.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MEU SITE E FAZER SEU PEDIDO

Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

glaucerossi@bol.com.br

(11) 97574-9228 - Vivo

(11) 95248-7897 - Tim

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.

WhatsApp

(11) 95248-7897

Loja virtual

CADASTRO DE CONTATO

FACEBOOK

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Festa Junina: Dança/Quadrilha

  


Com uma música junina instrumental, siga os passos desta quadrilha:



Caminho da festa.
Os cavaleiros cumprimentam as damas.
As damas cumprimentam os cavaleiros.
Cavaleiros ao meio.
Balanceio.
Faz que vai, mas não vai.
Olha o duplo.
Cavaleiros do lado direito das damas.
Formar a grande roda.
As damas pra dentro, cavaleiros pra fora.
Formar a grande estrela.
Caminho da festa.
Formar um grande círculo.
As damas com as mãos para trás.
Passar as damas para trás.
Caminho da festa.
Olha o túnel.
Formar grande roda.
Cavaleiros pra dentro damas pra fora.
Formar grande estrela.
Caminho da festa.
As damas passam os cavaleiros pra frente.
Olha a chuva. Já parou.
A ponte quebrou. É mentira.
Olha a cobra. Já matou.
Direita com direita.
Damas ao passeio.
Cavaleiros ao passeio.
Passeio geral.
Vai começar o grande baile.
Começou o miudinho.
Entra os padrinhos.
O padrinho com a noiva.
Baile Geral.
Caminho da roça.

(*)Trecho retirado do site Jangada Brasil

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Festa Junina - Músicas

No mês de junho, aproveite para trabalhar com o tema da Festa Junina.
São muitas atividades que podem ser desenvolvidas na alfabetização e também com os alunos que sabem ler e escrever, mas possuem dificuldades na leitura e escrita.

Para iniciar o tema, é necessário verificar os conhecimentos prévios dos alunos através de conversas e complementar com pesquisas sobre o assunto. É interessante registrar o que já sabem sobre Festa Junina, músicas, comidas típicas, brincadeiras, danças etc.

Pode-se trabalhar diversas atividades na alfabetização com as músicas juninas, dentre elas:

- ler no coletivo seguindo a música com o dedo;
- ler e procurar as palavras que a professora disser na música;
- a música fatiada (em versos) para colocar em ordem;
- o texto da música em lacunas para completar;
- a música com as palavras juntas para segmentá-las;
- escrita em duplas da música conhecida.

Algumas músicas desta tradicional festa brasileira:

CAPELINHA DE MELÃO
Autores: João de Barros e Adalberto Ribeiro
Capelinha de melão
é de São João.
É de cravo, é de rosa,
 é de manjericão.
São João está dormindo, 
não me ouve não.
Acordai, acordai, 
acordai, João.
Atirei rosas pelo caminho.
A ventania veio e levou.
Tu me fizeste com seus espinhos 
uma coroa de flor.

PEDRO, ANTÔNIO E JOÃO
Autores: Benedito Lacerda e Oswaldo Santiago
Com a filha de João
Antônio ia se casar,
mas Pedro fugiu com a noiva
na hora de ir pro altar.
A fogueira está queimando,
o balão está subindo,
Antônio estava chorando
e Pedro estava fugindo.
E no fim dessa história,
ao apagar-se a fogueira,
João consolava Antônio,
que caiu na bebedeira.


SONHO DE PAPEL
Autores: Carlos Braga e Alberto Ribeiro
O balão vai subindo, 
vem caindo a garoa.
O céu é tão lindo 
e a noite é tão boa.
São João, São João!
Acende a fogueira 
no meu coração.
Sonho de papel 
a girar na escuridão
soltei em seu louvor 
no sonho multicor.
Oh! Meu São João.
Meu balão azul 
foi subindo devagar
O vento que soprou 
meu sonho carregou.
Nem vai mais voltar. 

PULA A FOGUEIRA
Autor: João B. Filho
Pula a fogueira Iaiá, 
pula a fogueira Ioiô.
Cuidado para não se queimar.
Olha que a fogueira 
já queimou o meu amor.

CAI, CAI, BALÃO
Cai, cai, balão.
Cai, cai, balão.
Aqui na minha mão.
Não vou lá, não vou lá, não vou lá.
Tenho medo de apanhar.


ISTO É LÁ COM SANTO ANTÔNIO 
(Lamartine Babo)
Eu pedi numa oração
ao querido São João
que me desse um matrimônio.
São João disse que não,
São João disse que não,
isto é lá com Santo Antônio.
Implorei a São João
desse ao menos um cartão
que eu levasse a Santo Antônio.
São João ficou zangado.
São João só dá cartão
com direito a batizado.
São João não me atendendo
a São Pedro fui correndo.
No portão do paraíso
disse o velho num sorriso:
"Minha gente eu sou chaveiro,
nunca fui casamenteiro.


CHEGOU A HORA DA FOGUEIRA

(Lamartine Babo) 
Chegou a hora da fogueira.
É noite de São João.
O céu fica todo iluminado,
fica todo estrelado,
pintadinho de balão.
Pensando na cabocla
a noite inteira
também fiz uma fogueira
dentro do meu coração.
Quando eu era pequenino,
de pé no chão,
recortava papel fino
pra fazer balão.
E o balão ia subindo
para o azul da imensidão.
Hoje em dia meu destino
não vive em paz.
O balão de papel fino
já não sobe mais.
O balão da ilusão
levou pedra e foi ao chão.

sábado, 21 de maio de 2016

Plano de aula - Festa Junina

Objetivos:


  • Resgatar uma canção popular, propiciando o gosto pela Festa Junina.
  • Que os alunos possam avançar na reflexão sobre o sistema de escrita.

Conteúdo:

- Música: O BALÃO VAI SUBINDO

Procedimentos:


·        Garantir que os alunos saibam a música de memória;
·        Organizar duplas em função do que os alunos sabem sobre a escrita (pré-silábicos com silábicos, silábicos sem valor com silábicos com valor; silábicos alfabéticos com alfabéticos)
·        Cantar ou utilizar um CD com a música junto com os alunos, levando-os a identificar as partes do escrito;
·        Pedir para que eles localizem palavras no texto;
·        Socializar respostas.

Recursos:

- Cartaz com a música escrita em letra bastão.
- Cópias da letra da música.


Avaliação:

Registro das observações dos alunos, mantendo um controle para que permita intervir junto aos alunos nas próximas atividades.

terça-feira, 17 de maio de 2016

PLANO DE AULA

Sendo que o plano de aula é o módulo mínimo de planejamento, essa atividade é dada em uma única aula. Devem estar claros para o professor: o conteúdo a ser trabalhado, os objetivos de aprendizagem, os procedimentos para desenvolver a aula e como será avaliado o aproveitamento do aluno.

Abaixo segue um exemplo de plano de aula a ser aplicado em classe de alfabetização, utilizando a lista de nomes dos alunos.


PLANO DE AULA

Objetivos:

-Escrever listas de palavras/textos significativos;
-Construir um repertório de palavras estáveis.
-Levantar questões de ortografia (alfabéticos).

Conteúdo:

Lista de nomes próprios.


Procedimentos: 

-Ajustar o nível de desafio às possibilidades dos alunos, para que realmente tenham problemas a resolver;
-Organizar agrupamentos produtivos, em função do que os alunos já sabem sobre a escrita;
-Ler a proposta definindo o que devem fazer: escrever o nome de quinze alunos da classe.
-Garantir a circulação de informações, promovendo a socialização das respostas e dos procedimentos usados pelas duplas;


Avaliação:

Registro contínuo das observações dos alunos na execução da atividade.


sábado, 14 de maio de 2016

AS FORMAS DE PLANEJAR DO PROFESSOR





Plano de aula

Módulo mínimo de planejamento, essa atividade é dada em uma única aula. Pode ser avulsa ou estar inserida em uma seqüência didática ou em um projeto.
Devem estar claros para o professor: o conteúdo a ser trabalhado, os objetivos de aprendizagem, que recursos serão necessários para desenvolver a aula e como será avaliado o aproveitamento do aluno.


Projetos de ensino

Tem duração longa, pode levar até um ano. Envolve a construção de um produto final – um livro, uma exposição, uma campanha, por exemplo – destinado a um público definido, que podem ser outros alunos, os pais, os moradores do bairro etc. Nesse caso, a participação da turma se dá em todas as etapas do planejamento.

Sequência didática


Nessa modalidade, a duração é limitada a algumas semanas de aula. O conteúdo é mais específico que o de um projeto e é explorado em atividades seguidas, que se tornam cada vez mais complexas.

Plano de ensino

É o planejamento do que vai ser trabalhado durante o semestre ou o ano letivo.
No caso do professor polivalente, envolve os objetivos de aprendizagem de todas as disciplinas, os conteúdos a serem trabalhados, os procedimentos a serem utilizados, os recursos didáticos e as formas de avaliação.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Trabalhar com situações-problemas

As situações-problemas devem permitir aos alunos elaborarem diferentes procedimentos, proporcionando desafios que os motivem a superarem seus resultados.
Dar oportunidade aos educandos de explorar diferentes possibilidades de resolver um problema é fundamental para conseguirem criar seus próprios elementos de registro, inventar uma maneira apropriada de fazer a representação.
Esse processo de tentar encontrar uma maneira mais prática de representação é decisivo para a construção das representações da linguagem matemática. Isso deve ser realizado com a socialização das situações em que as crianças podem defender seus procedimentos e resultados perante o grupo.
Os alunos terão oportunidade de comparar sua forma de resolver um problema com a usada pelos colegas, o que propicia o desenvolvimento de diversas habilidades: encontrar uma solução para um problema, representar essa solução de maneira clara, interpretar as representações feitas pelos colegas e selecionar as formas mais eficientes de cálculo e de comunicação do que foi calculado. 
Veja o exemplo do problema a seguir aplicado em uma classe de 2º ano:

Na bandeja da Cida cabem 40 doces. Ela tem apenas 24 doces. Quantos doces Cida precisa fazer para completar a bandeja?

Alguns alunos fizeram assim:

40 -
24
---
16
Cida precisa fazer 16 doces.

Um dos alunos resolveu assim:

24 +
16
----
40
Ela tem que fazer mais 16 doces.

Outros fizeram o registro com desenhos, bolinhas, palitinhos e chegaram na solução do problema.

Perceber que cada um pode resolver um problema usando seus próprios recursos de cálculo é descobrir que não há um caminho único para encontrar a solução do problema.


sexta-feira, 6 de maio de 2016

Como trabalhar com a resolução de problemas no ensino fundamental

Olá!!!!





O fundamento mais importante da matemática é a resolução de problemas.
As crianças estão acostumadas no cotidiano social a resolver problemas. Não importa se acertam ou erram, quantas vezes tentem até chegar ao resultado esperado, mas as diversas buscas de solução auxiliam o sujeito no processo de raciocínio do objeto a ser conhecido.

Na escola, as crianças são treinadas a dar uma resposta pronta, que acreditam que a professora espera e não uma resposta adequada ao problema.
É importante que o professor dialogue com os seus alunos e conheça o que o seu aluno cria nas proposições matemáticas ofertadas.
Um aspecto fundamental na atividade com resolução de problemas em sala de aula é que, os professores observem e considerem os modos próprios de resolução e de aprendizagem de cada criança.

 Exemplos de 3 modos diferentes de resolução de problemas pelos alunos:: 


 Os três alunos desenvolveram estratégias diferentes, evidenciando movimentos cognitivos diferentes. É importante salientar que são os alunos que devem identificar quais são os dados e qual a pergunta do problema. O potencial da atividade está, exatamente, em que os alunos compreendam a situação-problema e elaborem a estratégia de resolução.
A socialização das estratégias desenvolvidas pelos alunos é um recurso a mais para que percebam as diferentes possibilidades de resolução e os caminhos pensados e construídos para chegar às respostas. 
É importante que as estratégias individuais sejam estimuladas. São elas que possibilitam aos alunos vivenciarem as situações matemáticas articulando conteúdos, estabelecendo relações de naturezas diferentes e decidindo sobre a estratégia que desenvolverão.

Como trabalhar as situações-problemas:

1. Em primeiro lugar, é preciso que as crianças interpretem a situação-problema vivenciada, compreendam o enunciado do problema seja oral ou escrito. 

2. Compreendida a situação proposta, oralmente ou no enunciado do problema, os alunos terão condição de desenvolver as estratégias de resolução mobilizando conceitos matemáticos conhecidos e então decidir COMO resolver. 

3. Construída a estratégia, o aluno realizará os cálculos, promoverá a solução, chegará à resposta. A realização dos cálculos pode ocorrer de diferentes modos. a algorítmica, oral, pictórica, com a utilização de material dourado de modo que expresse a resolução da estratégia construída. 

domingo, 1 de maio de 2016


OLÁ!!!

Tenho duas apostilas de alfabetização destinadas aos jovens e adultos.

Apostila de alfabetização de jovens e adultos sócio-construtivista
Baseada em um ensino sócio-construtivista,  a apostila apresenta atividades com os níveis de aquisição do aluno pela escrita: pré-silábico, silábico. silábico-alfabético e alfabético.
Ela envolve textos presentes em nosso dia-a-dia, como coisas que fazem parte do cotidiano deles: confecção de bilhetes, listas de compras, poemas relacionados com sua vida cotidiana, letras de música, receitas culinárias, anúncios etc.

Apostila de alfabetização de jovens e adultos com método silábico

O processo de alfabetização acontece através das sílabas das palavras. A apostila envolve o cotidiano dos alunos através de palavras conhecidas por eles. Segue o método Paulo Freire.
As duas apostilas trabalham com assuntos reais e de interesse dos alunos do EJA.

"Não basta saber ler que Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho."
(Paulo Freire, in Educação na Cidade, 1991)


Os interessados em adquirir, por favor entrem em contato pelo site:

https://sites.google.com/site/diariodaprofaglauce/jovens-e-adultos

Abaixo está a lista de todo o material voltado para EJA:

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Alfabetização em Matemática


A primeira coisa que as crianças em processo de alfabetização precisam saber “é o que representam aqueles risquinhos pretos em uma página branca” e que sendo estes risquinhos no papel símbolos dos sons da fala, é “necessário entender o que é um símbolo”.

Na matemática, a representação das operações se faz sobretudo através de símbolos – números, sinais – o que torna a linguagem matemática abstrata.

Trabalhar a questão dos signos na escola seria essencial para que os alunos compreendessem que o numeral 2, por exemplo, está em lugar da quantidade b b, representa a quantidade na escrita matemática, criado através de uma convenção, a partir da necessidade social.

Antes de se iniciar o processo de alfabetização, deve-se mostrar à criança diversos símbolos: “Cor vermelha, no sinal de trânsito, simboliza a instrução Pare. A cor verde simboliza a instrução Ande. O dedo polegar voltado para cima simboliza a informação Tudo bem.” e outros símbolos de uso comum no cotidiano da criança, porque “uma criança que ainda não consiga compreender o que seja uma relação simbólica entre dois objetos não conseguirá aprender a ler.

E com a matemática acontece a mesma coisa, é necessário a noção de símbolos para apropriar-se dos conceitos matemáticos.


Seguidores