VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

Tenho também CDs de áudio para Educação Infantil e Fundamental I, cartazes em EVA e livros infantis.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MEU SITE E FAZER SEU PEDIDO

Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

glaucerossi@bol.com.br

(11) 97574-9228 - Vivo

(11) 95248-7897 - Tim

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.

WhatsApp

(11) 95248-7897

Loja virtual

CADASTRO DE CONTATO

FACEBOOK

domingo, 24 de setembro de 2017

INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS


Para trabalhar a interpretação, os textos devem considerar as situações de práticas de leitura e escrita. 

Algumas situações práticas de leitura e escrita:
- Seguir instruções (receitas, manuais de jogo), 
- Comunicar-se (recado, bilhete, carta, anúncio, convite), 
- Divertir e emocionar-se (poema, conto, fábula, lenda), 
- Informar (notícia), 
- Orientar-se no mundo (tabela, mapa) 
  entre outros tipos.

Trabalha-se a interpretação de textos desde a educação infantil. Nesta fase, como os alunos ainda não sabem ler e escrever, as crianças interpretam os textos oralmente. 

Na alfabetização, quando os alunos já passaram para a escrita alfabética, a leitura e interpretação se tornam mais presentes nas práticas de escrita. A interpretação de textos é feita através de questões orais e escritas.

Veja abaixo alguns exemplos de interpretação de textos:




Estes textos fazem parte das Apostilas de Interpretação de Textos Volume I e II. Caso tenha interesse em adquirir, favor entrar em contato por e-mail:


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Atividade para o Dia das Crianças


Aproveite a semana da criança a para fazer uma receita com seus alunos.

DOCINHO DE CHOCOLATE

INGREDIENTES:
2 LATAS DE LEITE CONDENSADO
1 LATA DE LEITE EM PÓ 1 LATA DE CHOCOLATE EM PÓ
UMA XÍCARA DE CHÁ DE AÇÚCAR

MODO DE PREPARO:
COLOQUE EM UMA TIGELA TODOS OS INGREDIENTES E MISTURE BEM A MASSA. AMASSE TUDO, ENROLE O DOCINHO, PASSE NO AÇÚCAR E COLOQUE NUMA BANDEJA. PRONTO, AGORA VOCÊ JÁ PODE SABOREAR ESSE DELICIOSO DOCINHO!

TRABALHANDO COM RECEITA:

1. Converse com seus alunos se eles já viram alguém da família cozinhar ou se eles ajudam em casa a fazer comida. Pergunte se alguém da família usa receitas para cozinhar.

2. Diga a eles que vamos fazer uma receita na escola. Distribua a receita para as crianças para que elas possam ler e procurar saber qual receita vamos fazer e quais os ingredientes vamos utilizar.

3. Organize a sala de aula com tudo o que vão utilizar, inclusive nesse momento reforce os conceitos de higiene.

4. Você pode começar a receita só com as crianças observando e dizendo os ingredientes e o modo de preparo, mas depois é importante a participação de cada criança enrolando o seu docinho. Depois todos vão saborear o doce.

Essa receita é fácil e fica uma delícia! As crianças vão adorar e aprender muito.

sábado, 16 de setembro de 2017

ATIVIDADE - DIA DAS CRIANÇAS

ATIVIDADES COM A MÚSICA:

- LEITURA DO TEXTO 
- CANTANDO A MÚSICA
- CONVERSANDO SOBRE O TRABALHO INFANTIL E OS DIREITOS DA CRIANÇA.


domingo, 10 de setembro de 2017

LEMBRANCINHA DIA DAS CRIANÇAS































Para adquirir entre em contato pelo email glaucerossi@terra.com.br ou pelos telefones (11) 97575-9228 (Vivo) - (11) 95248-7897 (Tim e WhatsApp)

sábado, 2 de setembro de 2017

Indisciplina na escola


Hoje estou trazendo algumas atividades sobre regras de convivência.
Objetivos:
-Descobrir a importância das leis para que os direitos de cada um sejam respeitados.
-Elaborar, em conjunto, normas para o grupo, de modo que todos possam assumi-las e por elas se responsabilizar.

Atividade 1: Conversa dirigida
A professora explica:Vamos fazer um exercício de imaginação. Feche os olhos e imagine uma partida de futebol. Imagine agora a partida iniciando. O juiz joga a bola longe. Um jogador pega-a com a mão e sai correndo, querendo fazer um gol. Um outro, agora do time adversário, segura-o pela camisa e rouba-lhe a bola, saindo além da linha do gramado.
Agora, ela pergunta aos alunos :
__Você já viu um jogo de futebol assim?
__O que está faltando para que o jogo aconteça realmente?
__Por que, em um jogo, precisamos de leis?
__ Na escola também é importante ter leis? Por quê?

Atividade 2: Desenho e dramatização
Dobre a folha de sulfite ao meio e desenhe:
O QUE PODE FAZER NA ESCOLA
O QUE NÃO PODE FAZER NA ESCOLA
Os desenhos são socializados no coletivo e pode-se criar uma dramatização que represente uma sala de aula em que as regras não são cumpridas.

Atividade 3: Criando nossas regras
Hoje nós vamos criar nossas próprias leis, vocês vão dizendo as regras e a professora vai escrevendo na lousa. Depois vamos escrevê-las num cartaz que será fixado na classe para que todos possam vê-las.
As crianças podem ilustrar as regras. Todos os dias ler com a classe as regras que eles próprios criaram.

Atividade 4: Leitura compartilhada de livro
Trabalhar com a classe fazendo uma leitura compartilhada do livro: "E EU COM ISSO?: APRENDENDO SOBRE RESPEITO" , autores: BRIAN MOSES e MIKE GORDON

terça-feira, 29 de agosto de 2017

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Trabalhando com letras móveis


Um recurso pedagógico bem significativo para o processo de alfabetização e que as crianças adoram é o alfabeto móvel. É um material que tem contribuído para que as crianças realizem grandes descobertas em relação à escrita e a leitura. São letras em bastão que podem ser confeccionadas ou já compradas prontas.
No  primeiro momento, o material serve como base para os alunos conhecerem todo o alfabeto. Após ter o domínio de cada letra, é possível  lançar o desafio para a turma começar a formar palavras.
No início da construção do sistema escrito, as crianças passam por vários conflitos, principalmente quando se depararam com o grande número de letras em mãos para poder construir a palavra. Assim o trabalho com as letras móveis  ajuda a criança a elaborar as ideias e hipóteses sobre a escrita.
Para trabalhar com o alfabeto móvel  o professor deve organizar os alunos em duplas, em função do que os alunos já sabem sobre a escrita. Ex: pré-silábicos com silábicos, silábicos com valor sonoro com silábicos sem valor sonoro, silábicos-alfabéticos com alfabéticos e alfabéticos com alfabéticos.
Esse tipo de atividade, faz com que o aluno pense a respeito da escrita, pois quando é pedido para ler o que escreveu, na hora ele percebe que está faltando alguma letra. 
As atividades devem ser com palavras e pequenos textos significativos como listas,  parlendas ou cantigas que já conhecem.
Durante as atividades  circular pela sala e colocar questões para que os alunos reflitam sobre as palavras que montaram.
Peça sempre para que a criança leia a palavra mostrando com o dedo as letras/sílabas.

Por exemplo: trabalhando com uma lista de frutas e a criança monta a palavra abacaxi assim ABCI, o professor pode intervir dizendo que abacaxi tem 7 letras e está faltando letras na palavra que formou.

Outro exemplo: a criança monta banana assim BAMLANAN, intervir dizendo que banana tem 6 letras e mostrar que ela colocou letras a mais. Pode-se separar as letras da palavra para que ela utilize somente as 6 letras.


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Alfabetização na concepção construtivista e sócio interacionista

Da década de oitenta para cá, a alfabetização passou a ser vista como construção ativa de um saber pelo aprendiz, que só pode dominá-la se estiver em contato contínuo com o objeto de sua aprendizagem, ou seja, a escrita produzida fora da escola em seus usos sociais cotidianos. Nessa concepção, o aluno é visto como aprendiz ativo, e seu interesse pelo conhecimento ou necessidade que sente dele como motores da aprendizagem.  A língua passou a ser vista como mais do que um código, algumas vezes como sistema de representação, outras como discurso.
Duas são as principais concepções de alfabetização, ou seja, como se dá a construção ativa da língua para o aprendiz:
1. Para os construtivistas, a língua é apropriada por meio de um processo psicológico interno, individual. Para eles, toda a aprendizagem é feita pelo aprendiz de uma forma espontânea, pelo contato com o que existe no meio em que vive. Os construtivistas apóiam suas teorias em Piaget, pesquisador suíço do  desenvolvimento da inteligência na criança.
2. Para os sócio interacionistas, o processo de apropriação da escrita se dá primeiro nas interações sociais, para depois ser internalizado pelo aprendiz. Para eles, toda a aprendizagem é feita, de início, socialmente, para depois se tornar uma construção individual. Os sociointeracionistas apóiam suas teorias em Vygotsky, pesquisador russo do desenvolvimento da inteligência e da aprendizagem da criança.

Seguidores