VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

Tenho também CDs de áudio para Educação Infantil e Fundamental I, cartazes em EVA e livros infantis.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MEU SITE E FAZER SEU PEDIDO

Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

glaucerossi@bol.com.br

(11) 97574-9228 - Vivo

(11) 95248-7897 - Tim

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.

WhatsApp

(11) 95248-7897

Loja virtual

CADASTRO DE CONTATO

FACEBOOK

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Alfabetização em Matemática


A primeira coisa que as crianças em processo de alfabetização precisam saber “é o que representam aqueles risquinhos pretos em uma página branca” e que sendo estes risquinhos no papel símbolos dos sons da fala, é “necessário entender o que é um símbolo”.

Na matemática, a representação das operações se faz sobretudo através de símbolos – números, sinais – o que torna a linguagem matemática abstrata.

Trabalhar a questão dos signos na escola seria essencial para que os alunos compreendessem que o numeral 2, por exemplo, está em lugar da quantidade b b, representa a quantidade na escrita matemática, criado através de uma convenção, a partir da necessidade social.

Antes de se iniciar o processo de alfabetização, deve-se mostrar à criança diversos símbolos: “Cor vermelha, no sinal de trânsito, simboliza a instrução Pare. A cor verde simboliza a instrução Ande. O dedo polegar voltado para cima simboliza a informação Tudo bem.” e outros símbolos de uso comum no cotidiano da criança, porque “uma criança que ainda não consiga compreender o que seja uma relação simbólica entre dois objetos não conseguirá aprender a ler.

E com a matemática acontece a mesma coisa, é necessário a noção de símbolos para apropriar-se dos conceitos matemáticos.


quinta-feira, 21 de abril de 2016

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA MATEMÁTICA


O aluno utiliza a matemática no seu cotidiano e a utiliza com acertos, mas a escola não sabe valorizar o conhecimento matemático que essa criança adquiriu ao longo de sua vivência no mundo. Exemplo disso é o trato com números de telefone, de números das casas da rua onde mora, compras que fazem, jogos em que contam, adicionam, subtraem e dão resultados, eventuais coleções de figurinhas e outros jogos que fazem parte das brincadeiras no cotidiano das crianças.

A Matemática, a exemplo da Língua Materna, é uma prática social, uma ferramenta de interação com o mundo, da qual a criança se utiliza em muitos momentos de sua vida e que, portanto já está em parte construída quando ela chega à escola para ser alfabetizada. Reconhecer estes conhecimentos prévios, levando o aluno a perceber que, da mesma forma como ele fala a Língua Materna, também “fala” e usa a Matemática e o que ele vai aprender no espaço escolar já está, de certa forma, elaborado.

E este é um grande desafio para o professor alfabetizador: equacionar o conhecimento matemático cotidiano da criança ao conhecimento matemático formal do aluno, tornando a aprendizagem significativa.

É possível acrescentar conceitos matemáticos aos já construídos pelos alunos na sua relação com o mundo e as pessoas. Vários conceitos da Matemática são utilizados no dia-a-dia da criança e seria natural que a escola apropriasse destes conhecimentos para construir o conhecimento escolar, sem desprestigiar a matemática existente, resultante da prática social do aluno.

Para tanto, o professor deve estar apto a desenvolver ações que levem o seu aluno a pensar, raciocinar sobre o objeto de conhecimento, elaborar, reelaborar, analogizar, para que a sua inserção no mundo ocorra para o desenvolvimento da cidadania.

"O professor não ensina, mas arranja modos de a própria criança descobrir.
Cria situações-problemas."
Jean Piaget


EXEMPLOS DE ATIVIDADES DE MATEMÁTICA NO DIA-A-DIA DA CRIANÇA:






domingo, 10 de abril de 2016

Jogos para trabalhar a ortografia


1 - Monte e remonte:

Escreva no quadro ou em folha uma palavra que tenha o menor número de letras repetidas. Estipular um tempo para a duração da atividade e pedir aos alunos para lembrarem e escreverem o maior número de palavras possíveis com as letras dessa palavra, sem repeti-las no mesmo termo encontrado.
Esta atividade trabalha a rapidez, percepção visual, ortografia e vocabulário.

Exemplo: Palavra escolhida - PERNAMBUCO
Exemplos de palavras encontradas: perna- barco- compra- boca- nabo- banco- copa- ano- rapé- ópera- amor- comer- peru- perca- bem- não- rena- buraco- mar- muro- pano- pé- cor

2 - Palavra puxa palavra:

Nessa atividade, o professor lança uma palavra e os alunos apresentam outras que se relacionem com a primeira.
Exemplo: Palavra escolhida: FOGO.
Palavras relacionadas: incêndio- dor- ambulância- feridos- bombeiro- morte- gritos- pânico- tristeza- medo- fogão- comida- queimadura.

3 - Memória auditiva:

O professor diz uma frase que deve ser repetida e ampliada pelo aluno.
Exemplo:
Professor: Fui ao zoológico e vi um elefante...
Aluno 1: Fui ao zoológico e vi um elefante e um urso...
Aluno 2: Fui ao zoológico e vi um elefante, um urso e uma girafa...

4 - Dizer duas palavras:

O aluno deverá separar a primeira sílaba de cada uma e formar outra:
Exemplo:
Pedal à Rato = Pêra
Figura à Tapete = Fita
Panela à Novelo = Pano
Usando a mesma técnica, aumentar o número de palavras, criando dificuldades crescentes.
Exemplo:
Cabelo à Nevada à Tapa = Caneta
Trio à Antes à Guia à Loto = Triângulo
Cama à Ramo à Muda à Jogo = Caramujo

5- Rimando:

O professor oferece aos alunos uma caixa contendo cartões, cada um com uma palavra, sendo que as palavras rimam entre si.
Exemplo: pato - mato – gato / coelho - espelho – joelho / abelha - orelha - ovelha
Cada aluno, após ter recebido um dos cartões, deverá procurar entre os colegas aqueles que têm o cartão com uma palavra que rime com a sua.
Agrupados por terminação, os alunos escreverão outras palavras que rimem com as que já possuem.

Os jogos relacionados acima só devem serem trabalhados com os alunos alfabéticos.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Revisão de texto pelo aluno

1. Os alunos serão divididos em duplas para escrever um texto.

2. Antes da atividade a professora deverá revisar o texto de cada dupla para marcar as seguintes questões:
-Palavras que contiverem erros de ortografia;
-Questões relacionadas à separação entre palavras;
-Nas questões relacionadas à linguagem, marque o parágrafo todo e escreva pequenos bilhetes sugerindo alterações.

3. Conte para os alunos que você revisou os textos escritos por eles e marcou o que encontrou de errado. Distribua os textos e explique suas anotações. Diga que sempre há algum erro nas palavras que você sublinhou, e cada dupla precisa pensar bem e discutir entre si, para descobrir a escrita correta – se for preciso, podem consultar o dicionário para ter certeza. Explique que quando os erros são na forma de separar as palavras você escreveu um número em cima, para indicar quantas palavras existem naquela frase. 

4. 
Oriente os alunos para que passem a limpo o texto já revisado. Precisam entender a importância da apresentação do texto – a diagramação, a limpeza, o traçado e a legibilidade das letras – na comunicação com o leitor.

5. À medida que as duplas forem terminando, sugira que façam mais uma leitura; a seguir, leia o texto juntamente com as crianças.

domingo, 27 de março de 2016

Leitura e interpretação de textos


É importante e necessário que o professor se pergunte quais conhecimentos os alunos já possuem, sempre quando for trabalhar com textos. Esta investigação inicial, orienta o professor para o que se pretende construir. Além disso, passa a conhecer os interesses, expectativas e vivências, pois assim o professor poderá prever se um texto ficará ou não além das possibilidades dos alunos.

Quando o professor tenta dar algumas pistas sobre o texto, está ajudando a construir contextos mentais compartilhados. Desta forma, pode-se garantir uma compreensão compartilhada, os alunos passam a possuir, antes de iniciar a tarefa solicitada, um esquema que lhe diz o que tem que fazer e o que ele sabe ou não sobre o que vai ler ou escrever.


 A explicação sobre o que será lido é importante desde que não se pretenda explicar o conteúdo, mas sim indicar sua temática. Podemos considerar que informar os alunos sobre o tipo de texto e sua estrutura é uma forma de lhes proporcionar conhecimentos úteis.
Em função do texto que vai ser trabalhado, pode-se explicar por exemplo a função das ilustrações, quando acompanham o texto, os títulos, os subtítulos, as numerações, os sublinhados, as mudanças de letras, e etc.

Incentivar e motivar os alunos a exporem o que já sabem muda significativamente os procedimentos do ensino, relativizando o lugar do professor e dos alunos numa determinada situação de ensino e aprendizagem. Quando se deixa os alunos falarem, estamos promovendo um papel ativo na aprendizagem e o papel do professor será a de reconduzir as informações e centrá-las no tema em questão.

Para concluir, vale lembrar que toda leitura e escrita são processos contínuos de formulação e verificação de hipóteses sobre o que sucede no texto. As previsões são estabelecidas antes do trabalho em relação aos aspectos sobre a estrutura textual, títulos, subtítulos, numerações, ilustrações, cabeçalhos e etc. Naturalmente, estes índices ou indicadores textuais nos permitem inferir ou antever conteúdos do texto.

Acredita-se que lidar com variedade de textos sobre cada tipologia textual, assim como vários modelos de tipologias diferenciados, podem confundir os alunos. Diria que ao contrário, pois os alunos estão em suas vidas cotidianas, interagindo com uma ampla variedade de informações, veiculadas pelos mais diversos meios de comunicação. Então o que acontece, de forma natural, é um processo de seleção dos tipos de textos num determinado momento, do que interessa, do que desperta a curiosidade, do que atende às necessidades iminentes.

A quem se interessar, tenho este kit de atividades de Português para alunos já alfabéticos. Para adquirir entre no meu site: https://sites.google.com/site/diariodaprofaglauce/3o-ano---4o-ano---5o-ano



quinta-feira, 24 de março de 2016

18 DE ABRIL- DIA DO LIVRO INFANTIL














O livro faz toda a diferença na formação de uma criança. Embora estejamos na era da informática, as histórias infantis fazem a criançada viajar num mundo de fantásticas aventuras e encantam todas as idades. Uma das maneiras de permitir aos alunos entrarem nesse maravilhoso mundo da leitura é trabalhando com Projetos de Leitura.

O Projeto PASSAPORTE DA LEITURA é uma viagem maravilhosa pelo mundo dos livros.
Desenvolve o hábito da leitura e incentiva o contato com os livros desde cedo.
Envolve 50 atividades sendo que cada uma é destinada a um livro da literatura infantil. Na bibliografia há autores como Ruth Rocha, Tatiana Belinky, Ziraldo, Eva Furnari etc.

Veja algumas atividades:


PARA ADQUIRIR ENTRE NO MEU SITE: https://sites.google.com/site/diariodaprofaglauce/passaporte-da-leitura

quinta-feira, 17 de março de 2016

Caça-palavras na alfabetização



O jogo de caça-palavras é um passatempo que consiste de letras arranjadas aparentemente aleatórias em uma grade quadrada ou retangular.

O objetivo do jogo é encontrar e circundar as palavras escondidas na grade tão rapidamente quanto possível. As palavras podem estar escondidas verticalmente, horizontalmente ou diagonalmente dentro da grade.

É uma ferramenta importante para o trabalho com as crianças, o benefício que é que as mentes jovens podem aprender palavras novas e a soletrá-las através da busca intensas procurando-as letra por letra no passatempo.

Escolha os caça-palavras que tenham um tema comum a qual todas as palavras escondidas estão relacionadas. 
Para os alunos silábicos e silábicos-alfabéticos é importante que tenham um banco de palavras para que possam procurá-las.
Já os passatempos, que não tem o banco de palavras, são mais desafiadores para os alunos alfabéticos uma vez que eles terão que descobrir as palavras sem a lista.

Exemplo de caça-palavras com o banco de palavras:
Exemplo de caça-palavras sem o banco de palavras:


segunda-feira, 14 de março de 2016

CARTAZES EM EVA

No ensino fundamental e  na educação infantil os professores ficam preocupados em deixar a sala de aula toda decorada com cartazes e murais lindos, mas deve-se pensar qual a  contribuição destes recursos para a aprendizagem de seus alunos. Infelizmente muitos destes cartazes não tem alguma função escolar, só servem apenas para enfeitar a sala.

O mais importante na educação infantil e nas séries iniciais é propiciar um ambiente em que o mundo letrado e suas diferentes linguagens estejam presentes na escola. 

Cartazes com o alfabeto em letra bastão servem de apoio para as crianças em suas escolhas na leitura e escrita. A "Chamadinha" com os nomes das crianças em letra bastão pode ser o início de grandes descobertas na alfabetização das crianças. Outros cartazes com pequenos textos conhecidos (listas, parlendas, trava-línguas, regras etc) escritos em letra bastão são de extrema importância para os alunos lerem mesmo sem saber ler, levando ao confronto as suas hipóteses de escrita.

No ensino de Matemática cartazes com os numerais e o "Calendário" ajudam na contagem, sequência e escrita dos números. O cartaz "Hoje somos" também contribui para o acesso aos números, quantidades, soma e subtração.



























QUEM TIVER INTERESSE EM ADQUIRIR OS CARTAZES, ENTRE NO MEU SITE:

quarta-feira, 9 de março de 2016

Trabalhando com parlendas


Trabalhar com parlendas e cantigas é uma atividade muito divertida para os alunos e importante para a alfabetização.
Por isso, não deixe de ouvir e cantar com seus alunos as cantigas folclóricas e recitar as parlendas. Aproveite para brincar com eles de roda cantando, de amarelinha recitando parlendas, de brincadeiras que utilizem estes textos curtos.

Depois proponha atividades com as parlendas e cantigas, brincando com os alunos até se certificar de que já saibam de cor.
Estes textos curtos permitem que a criança estabeleça correspondência entre partes do oral e partes do escrito, ajustando o que sabem de cor à escrita convencional.
Com o texto escrito na lousa e com cópias da letra da música, leia com seus alunos e peçam para eles acompanharem a leitura com o dedo. Faça pausas na leitura e verifique se eles estão acompanhando.
Você também pode pedir para eles localizarem palavras no texto, pintando-as.

Estas atividades de leitura permitem que as crianças leiam antes de saber ler convencionalmente. Desenvolvem habilidades que se referem à aquisição do código linguístico.

Para os alunos já alfabéticos, trabalhe a mesma atividade, mas focando a escrita, pedindo para eles escreverem o texto, pois o desafio para eles é colocar em jogo as questões ortográficas.


Exemplo:


terça-feira, 1 de março de 2016

CRUZADINHAS NA ALFABETIZAÇÃO



Utilize cruzadinhas com o repertório já trabalhado em sala de aula, por exemplo: brinquedos, animais, frutas, nomes dos colegas, entre outros temas.

Converse com os alunos para discutirem como brincar e as regras da cruzadinha.

Faça intervenções. Monte um banco de palavras para ser consultado pelos alunos, se necessário. Lembre-se de que há critérios na construção do banco de palavras.

Nesta atividade, é fundamental agrupar os alunos com hipóteses pré-silábicas ou silábicas com valor sonoro, com os que já produzem escritas silábicas com valor sonoro. Os alunos com hipóteses silábicas com valor sonoro também podem ser agrupados com aqueles que apresentam hipóteses silábico-alfabéticas. 

As cruzadinhas são atividades que colocam em foco a quantidade de letras necessárias para escrever uma palavra e também quais letras utilizamos em função do "cruzamento" das palavras. Por isso, é uma ótima atividade para alunos com hipótese de escrita silábica e silábico-alfabética, pois os instigam a refletir sobre quais e quantas letras utilizar nas escritas das palavras.Para os alunos com hipótese de escrita alfabética, o desafio está na ortografia, ou seja, saber com quais letras escrever as palavras, considerando que muitos sons são grafados de diferentes formas, assim como várias letras representam sons diferentes. Para alunos com hipótese de escrita pré-silábica, a atividade terá desafio se puderem fazê-la com os alunos que já estão pensando na relação entre a escrita e a fala, considerando o valor sonoro. Caso contrário, vão apenas preencher os quadrinhos com letras aleatórias, o que não é nada satisfatório.

Exemplo de cruzadinha com banco de palavras:



Seguidores