VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

Tenho também CDs de áudio para Educação Infantil e Fundamental I, cartazes em EVA e livros infantis.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MEU SITE E FAZER SEU PEDIDO

Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

glaucerossi@bol.com.br

(11) 97574-9228 - Vivo

(11) 95248-7897 - Tim

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.

WhatsApp

(11) 95248-7897

Loja virtual

CADASTRO DE CONTATO

FACEBOOK

terça-feira, 28 de abril de 2015

Alfabetizando com parlendas e cantigas


Trabalhar com parlendas e cantigas é uma atividade muito divertida para os alunos.
Por isso, não deixe de ouvir e cantar com seus alunos as cantigas folclóricas e recitar as parlendas. Aproveite para brincar com eles de roda cantando, de amarelinha recitando parlendas, de brincadeiras que utilizem estes textos curtos.

As atividades de leitura de parlendas ou cantigas permitem que as crianças leiam antes de saber ler convencionalmente.
Desenvolvem habilidades que se referem à aquisição do código linguístico.

Objetivos:
- Estabelecer relação entre fala e escrita (alunos não alfabéticos).
- Refletir sobre o sistema de escrita (alunos não alfabéticos e alunos alfabéticos).

Procedimentos:
Brinque com os alunos até se certificar de que já saibam de cor.
Com o texto escrito na lousa e com cópias da letra da música, faça uma leitura da parlenda apontando onde você está lendo.
Distribua as cópias dos textos e solicite que acompanhem a sua leitura, cada um olhando para o próprio texto
Leia com seus alunos e peçam para eles acompanharem a leitura com o dedo. Faça pausas na leitura e verifique se eles estão acompanhando.
Peça para eles localizarem palavras no texto, pintando-as.
Para os alunos já alfabéticos, trabalhe a mesma atividade, mas focando a escrita, pedindo para eles escreverem o texto, pois o desafio para eles é colocar em jogo as questões ortográficas.

Exemplo de atividade:



Tenho à venda o CD de parlendas e cantigas. Para adquirir entre no meu site:  https://sites.google.com/site/diariodaprofaglauce/parlendas-e-cantigas

domingo, 26 de abril de 2015

Alfabetizando: atividades com listas

Leitura e Escrita de Listas

As listas são as primeiras formas expositivas de texto. O trabalho com listas favorece a aquisição da base alfabética; possibilita a reflexão entre as hipóteses de escrita do/a alfabetizando/a e a escrita convencional das palavras, promovendo o conflito cognitivo.


Objetivos:
. Favorecer a aquisição da base alfabética (dos alunos não-alfabéticos) e da base ortográfica (dos alunos alfabéticos).
. Possibilitar a escrita de textos em forma de lista e o reconhecimento o seu uso funcional.

Sugestões de atividades:

. Lista de nomes de animais, frutas, verduras, cores, plantas, objetos, brinquedos, brincadeiras, super-heróis, novelas, filmes, time de futebol, etc.

. Lista de nomes dos alunos da classe, da professora ou dos funcionários da escola.

. Lista de nomes dos alunos presentes ou ausentes; dos aniversariantes do mês.

. Listar as palavras dos textos trabalhados, classificando-as de acordo com: a primeira e última letra; número de letra e de sílaba, vogais e consoantes, primeiras e últimas sílabas.

Exemplo:

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Atividade para Dia das Mães



Uma sugestão de trabalho com o tema mães é utilizar o livro "Se as coisas fossem mães" de Sylvia Orthof.

O livro pode ser o ponto de partida para iniciar uma conversa sobre as mães dos alunos e com o desenho da mãe em formato coração de sulfite rosa pode-se montar um lindo mural.

Também é possível fazer um teatrinho para apresentar no dia da comemoração das mães. Outra dica é montar um livrinho "Se as coisas fossem mães" para que as crianças possam ilustrá-lo.

SE AS COISAS FOSSEM MÃES

Se a lua fosse mãe, seria mãe das estrelas.
O céu seria sua casa, casa das estrelas belas.

Se a casa fosse mãe, seria a mãe das janelas.
Conversaria com a lua sobre as crianças estrelas
Falaria de receitas, pastéis de vento, quindins.
Emprestaria a cozinha pra lua fazer pudins !!!!

Se a sereia fosse mãe, seria mãe dos peixinhos.
O mar seria um jardim e os barcos seus carrinhos.

Se a terra fosse mãe, seria a mãe das sementes.
Pois mãe é tudo que abraça, acha graça e ama a gente.

Se a fada fosse mãe, seria a mãe da alegria.
Toda mãe é um pouco fada, nossa mãe fada seria.

Se a bruxa fosse mãe, seria uma mãe gozada;
Seria a mãe das vassouras, da família vassourada.

Se a chaleira fosse mãe, seria a mãe da água fervida,
Faria chá e remédio para as doenças da vida.

Se a mesa fosse mãe, as filhas, sendo cadeiras,
Sentariam comportadas, teriam boas maneiras.

Cada mãe é diferente. Mãe verdadeira ou postiça,
Mãe vovó ou mãe titia, Maria, Filó, Francisca,
Gertrudes, Malvina, Alice.

Toda Mãe é como eu disse!

Dona Mamãe ralha e beija, erra, acerta,
arruma a mesa, cozinha, escreve, trabalha fora,
Ri, esquece, lembra e chora,

Traz remédio e sobremesa...
... Tem até pai que é "tipo mãe"...
Esse, então, é uma beleza !



Assim é a minha mãe !

terça-feira, 14 de abril de 2015

Descobrimento do Brasil

Plano de aula: Descobrimento do Brasil: intencional ou não?”

Turmas: 4º e 5º anos

Objetivos:

Levar os alunos a pensarem sobre a História do Descobrimento do Brasil:

•             Investigar como se deu a "descoberta" do Brasil;
•             Confrontar diferentes opiniões de historiadores, sobre o tema em estudo;
•             Defender uma posição fundamentada.

Conteúdo:
Textos sobre a Descoberta do Brasil.

Procedimentos:

Levantar a seguinte questão:
Você acredita que o Brasil foi descoberto?

Escrever na lousa quais são as hipóteses dos alunos sobre esta questão.

O professor levará para a sala de aula pequenos textos e formará grupos de alunos. Cada grupo terá que defender a ideia do texto que recebeu como se estivesse em um tribunal. 

Para concluir reler as hipóteses dos alunos e confrontá-las com as informações dos textos defendidos.

Avaliação:
Deve ser contínua observando o interesse e a participação dos alunos.  


Textos:











domingo, 12 de abril de 2015

Tema: Os índios



O indígena trabalhado ainda em sala de aula hoje é, muitas vezes, aquele indígena de 1500 e parece que ele só se mantém índio se permanecer daquele modo. 

A realidade indígena nos dias atuais é bem diferente do passado.  Os povos indígenas possuem vestimentas tradicionais próprias e grafismos com os quais fazem pinturas corporais, mas a nudez ou não nudez, não define ser indígena ou não indígena. Toda cultura é dinâmica, está sempre em constante movimento, mudando e se adaptando dentre os séculos.

Mês de Abril é conhecido nas “questões” indígenas justamente pelo dia 19 de Abril, que para muitos é "o" dia do Índio. Mais para os indígenas não se trata nada mais nada menos que “um” dia do índio. Tantas datas iguais a essa já se passaram, umas comemorativas, festivas e outras composta por manifestações, repúdios e pedido de socorro por parte dos Povos Indígenas.

Por que não incluir no planejamento de História, de Língua Portuguesa e de Geografia discussões e atividades sobre a cultura indígena, ao longo do ano todo?

Trabalhar com os alunos que os povos indígenas não vivem mais como em 1500. Hoje, muitos têm acesso à tecnologia, à universidade e a tudo o que a cidade proporciona. Nem por isso deixam de ser indígenas e de preservar a cultura e os costumes. É preciso mostrar que o índio é contemporâneo e tem os mesmos direitos que muitos de nós.

Entrevista com o indígena Alex Makuxi do site http://www.indioeduca.org/?p=30

Confira no site acima sugestões para se trabalhar com este tema.

terça-feira, 7 de abril de 2015

Histórias Infantis










A leitura do professor deve fazer parte da rotina das atividades diárias.
Podemos ler para nossos alunos diversos livros, notícias, poemas, contos, etc.

A hora da leitura é um momento de alegria para as crianças, é aquela famosa frase que já conhecemos:
"Senta que lá vem a história!!!"

Neste momento, professor pode usar um recurso bastante criativo e que as crianças adoram: o CD com as histórias infantis para ouvir.

Estou disponibilizando o CD com 15 histórias infantis:

1. Cinderela
2. Chapeuzinho Vermelho
3. O Patinho Feio
4. Os Três Porquinhos
5. Pinóquio
6. A Cigarra e a Formiga
7. Dona Baratinha
8. A Galinha dos Ovos de Ouro
9. A Lebre e a tartaruga
10. O Leão e o Ratinho
11. A Bela Adormecida
12. A Bela e a Fera
13. Rapunzel
14. Branca de Neve
15. A Pequena Sereia


Se você se interessar, faça seu pedido pelo meu site:

https://sites.google.com/site/diariodaprofaglauce/precos

domingo, 5 de abril de 2015

Sequência didática: Contação de história

  Objetivos gerais:

Despertar o gosto pelas histórias infantis.
Apropriar-se de sua identidade.


Objetivos específicos:


Desenvolver a criatividade confeccionando um espelho mágico;
Desenvolver a atenção, raciocínio e a imaginação;
Expressar-se oralmente.

Conteúdo:
- Livro com a história "Branca de Neve e os sete anões".

Áreas do conhecimento: Português

Tempo estimado: 4 a 5 dias


Materiais:
- Um espelho grande;
- Cartolinas brancas;
-Tintas guache de várias cores;
- Livro e CD da história;
-Cópias de espelho em uma folha de sulfite;
-Espelhos de rosto menores.

Desenvolvimento:

                1º momento

·     Confeccionar um espelho “mágico”:
A professora irá fazer uma moldura para um espelho grande com cartolina branca. As crianças vão participar pintando a moldura do espelho com tinta guache.

2º momento

·         Com o espelho pronto a professora irá dizer que o espelho é mágico e se alguém gostaria de dizer alguma coisa para ele. Pode ir até o espelho uma ou duas crianças por vez.

·         Sentados em círculo, a professora vai perguntar se eles conhecem alguma história que aparece um espelho mágico.

·         Os alunos ouvirão a história A BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES contada pela professora que irá mostrar o livro durante a leitura.

·      Conversa sobre a história.

     3º momento

·         Com a frase “ Espelho, espelho meu...” os alunos poderão conversar com o espelho, reinventando a história. Pode-se também fazer dramatizações.

     4º momento

·         Com cópias de um espelho na folha, as crianças vão desenhar o rosto no espelho. Para isso, elas vão se olhar em espelhos menores.

.         Montar um mural com os autorretratos. Antes de colocarem o nome, pedir aos alunos para identificarem quem são as crianças dos retratos


Avaliação:
- Observação direta e contínua da participação e interesse dos alunos durante a realização das atividades.

sábado, 4 de abril de 2015

Como contar histórias?

 

    Contar histórias é saber criar um ambiente de encantamento, suspense, surpresa e emoção, onde enredo e personagens ganham vida, transformando tanto narrador como ouvinte. Deve impregnar todos os sentidos, tocando o coração e enriquecendo a leitura do mundo na trajetória de cada um.
 
   As técnicas de contar histórias se mesclam com as qualidades necessárias ao contador ou narrador.
   Podemos citar  as que mais se destacam:

- verificar o local, horário e as acomodações;
- conhecer o público a que se destina e ter o dom de encantar e dominar o auditório;
- conhecer o enredo com absoluta segurança;
- narrar com naturalidade, sem afetação, com voz clara e expressão viva;
- enfatizar os pontos emocionantes da história através das variações de tonalidades de voz e  pausas oportunas;
- sentir/viver a história, emocionando-se com a própria narrativa;
- não romper o fluxo da narrativa com conselhos e explicações;
- não perder o fio da meada quando estiver fazendo uso do livro ou outro elemento ilustrativo;
- tirar partido de pequenos incidentes, sem interromper a história;
- evitar tiques e cacoetes;
- tratar o ouvinte com simpatia e camaradagem, sem adotar um ouvinte predileto;
- não demonstrar irritação com a presença de ouvintes desinteressados ou irrequietos;
- chegar aos desfecho sem apontar a moral ou aplicar lições;
- estar aberto para comentários após a narrativa.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

ABRIL, MÊS DO LIVRO INFANTIL

Aqui está uma sequência didática com Monteiro Lobato e o famoso Sítio do Pica-Pau Amarelo:


Seguidores