VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

Tenho também CDs de áudio para Educação Infantil e Fundamental I, cartazes em EVA e livros infantis.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MEU SITE E FAZER SEU PEDIDO

Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

glaucerossi@bol.com.br

(11) 97574-9228 - Vivo

(11) 95248-7897 - Tim

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.

WhatsApp

(11) 95248-7897

Loja virtual

CADASTRO DE CONTATO

FACEBOOK

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Alfabetização na concepção construtivista e sócio interacionista

Da década de oitenta para cá, a alfabetização passou a ser vista como construção ativa de um saber pelo aprendiz, que só pode dominá-la se estiver em contato contínuo com o objeto de sua aprendizagem, ou seja, a escrita produzida fora da escola em seus usos sociais cotidianos. Nessa concepção, o aluno é visto como aprendiz ativo, e seu interesse pelo conhecimento ou necessidade que sente dele como motores da aprendizagem.  A língua passou a ser vista como mais do que um código, algumas vezes como sistema de representação, outras como discurso.
Duas são as principais concepções de alfabetização, ou seja, como se dá a construção ativa da língua para o aprendiz:
1. Para os construtivistas, a língua é apropriada por meio de um processo psicológico interno, individual. Para eles, toda a aprendizagem é feita pelo aprendiz de uma forma espontânea, pelo contato com o que existe no meio em que vive. Os construtivistas apóiam suas teorias em Piaget, pesquisador suíço do  desenvolvimento da inteligência na criança.
2. Para os sócio interacionistas, o processo de apropriação da escrita se dá primeiro nas interações sociais, para depois ser internalizado pelo aprendiz. Para eles, toda a aprendizagem é feita, de início, socialmente, para depois se tornar uma construção individual. Os sociointeracionistas apóiam suas teorias em Vygotsky, pesquisador russo do desenvolvimento da inteligência e da aprendizagem da criança.

domingo, 13 de agosto de 2017

Incentivando a leitura

Algumas atitudes simples para aproximar alunos e livros:

* Tenha na sala de aula um cantinho da leitura ou uma "caixa mágica" com jornais, revistas e gibis, para que na hora da leitura livre os alunos entrem em contato com diversos tipos de textos.
* Monte um local agradável na classe, com tapetes e almofadas, para os alunos ficarem confortáveis.
* Faça leitura coletiva de livros.
* Crie o "dia do livro". Leve uma caixa com várias obras para que os alunos escolham uma e contem a história para os colegas após a leitura.
* Utilize jornais diários. Citar as notícias é um recurso interessante para familiarizar o aluno com a leitura.
* Realize um teatrinho com as histórias dos livros lidos pelos alunos.
* Seja um bom exemplo: leia e consumalivros, mostre aos alunos as obras novas que adquiriu.
* Procure trocar ideias e informações sobre as obras lidas. Isso aguça a curiosidade do aluno.
* Realize um sarau de poemas. A linguagem poética diverte, incita e desperta a imaginação.
* Reserve todos os dias 10 minutos para contar o capítulo de algum livro.
* Faça uma "sacolinha da leitura", enfeitada com vários adereços, para que a criança leve o livro quando emprestar, junto mande um bilhete aos pais explicando o projeto da classe e ressalte a importância da participação deles no processo.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

APOSTILAS DE ALFABETIZAÇÃO


Para adquirir, entre em contato pelo email glaucerossi@terra.com.br ou pelos telefones (11) 97575-9228 (Vivo) - (11) 95248-7897 (Tim e WhatsApp).

domingo, 6 de agosto de 2017

Alfabetização na proposta socioconstrutivista


O processo de alfabetização socioconstrutivista ocorre por meio das intervenções junto aos alunos, levando-os a entrarem em conflito sobre suas hipóteses de escrita por meio das reflexões das mesmas e a avançarem no seu processo de ensino-aprendizagem.
Ele parte de uma sondagem, que realizada no início do ano e a cada bimestre, diagnosticando quais as hipóteses dos alunos sobre a escrita.
Nas  aulas são utilizados  diversos tipos de textos como parlendas, trava-línguas, receitas, músicas, bilhetes, poemas, histórias... e muitos jogos.
A hora da leitura é rotina diária, leitura para os alunos de  livro, notícia, curiosidade etc. E na hora da leitura livre as crianças podem entrar em contato com diversos portadores de textos.
Não faltam cartazes com listas de nomes dos alunos ou palavras significativas como lista de brinquedos, uma parlenda ou cantiga conhecida pelo aluno e outros. Assim a criança vai se apropriando do código lingüístico, mesmo sem ainda saber ler.
O papel do alfabetizador é ser um mediador no processo ensino-aprendizagem de seus alunos. Conhecendo e respeitando os alunos, levando-os a construírem seus próprios conhecimentos.

As vantagens desta proposta são muitas:

1- A alfabetização acontece respeitando individualidade de cada aluno e seu ritmo, trabalhando com os níveis de aquisição do processo da escrita, segundo a educadora Emília Ferreiro.

2- A alfabetização é um processo de construção, em que a criança constrói seu conhecimento a partir de reflexões e conflitos de suas hipóteses de escrita.

3- A alfabetização se desenvolve no contexto de e por meio de práticas sociais de leitura e de escrita. Através de vários portadores de textos, a criança entra em contato com a leitura e a escrita do mundo que nos cerca, mesmo ainda sem saber ler. É o processo de alfabetizar letrando.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

FOLCLORE NA ALFABETIZAÇÃO


Aproveite a riqueza do folclore brasileiro para alfabetizar seus alunos. São muitas opções de trava-línguas, parlendas, quadrinhas, poemas, adivinhas e cantigas.
Como são textos da cultura oral são apropriados para trabalhar a aquisição da base alfabética e ortográfica; por serem de fácil memorização, geram atividades que favorecem a percepção de que é preciso corresponder ao falado ao escrito, além de brincar com o som, a forma gráfica e o significado das palavras.

Exemplos:





segunda-feira, 24 de julho de 2017

Atividade para o Dia dos Pais

APROVEITE O TEMA E TRABALHE  A PRODUÇÃO ESCRITA COM SEUS ALUNOS. 
O ALUNO ESTARÁ ESCREVENDO PARA ALGUÉM, QUE É A PRINCIPAL FUNÇÃO DA ESCRITA.
 É IMPORTANTE A CRIANÇA ENTREGAR ESTA PRODUÇÃO PARA O PAI.  


segunda-feira, 17 de julho de 2017

Atividades de alfabetização para tarefa de casa



A atividade de casa é alvo de dúvidas e críticas por parte dos pais e dos professores (ou porque não tem "dever de casa" ou porque tem “dever de casa” demais ou porque “os alunos não fazem o dever”, etc.). 

O ideal é que a atividade de casa, planejada com antecedência, seja um desafio interessante, difícil;  mas possível, que o aluno possa resolver sozinho.


Objetivos: 

- Criar o hábito de estudar fora da escola, 
- Desenvolver a autonomia e a auto-aprendizagem.

Tipos de atividades de casa: 

- Cruzadinhas, 
- Caça-palavras, 
- Empréstimo de livros (levar 6◦ feira trazer na 2◦ feira), 
- Leitura de textos e posterior ilustração, 
- Ler algo interessante e trazer para sala de aula, 
- Pesquisa de palavras com letras trabalhadas.

sábado, 15 de julho de 2017

Atividades de rotina nas aulas de alfabetização


1. Leitura compartilhada - O professor lê todos os dias para os alunos, vários tipos de textos como: notícias, contos, poesias, histórias, fábulas, etc. Lê por prazer, sem cobrar atividades nenhuma após esta leitura.
Objetivo:  

- Desenvolver no aluno o prazer pela leitura. Professor enquanto modelo de leitor.

2. Roda de conversa - Professor e alunos conversam sobre assuntos variados.
Objetivos: 

- Desenvolver no aluno a competência/oralidade. 
- Falar o que pensa em grupos diversos, ouvir e respeitar as falas e pensamento de outras pessoas, dialogando, trocando, senso crítico, etc.

Pode-se propor ao final o registro  de um texto coletivo do assunto debatido. O texto deve ser curto (de preferência um parágrafo).
Sugestão: Criar caixas na sala com temas variados e neste momento, um destes temas, uma notícia, por exemplo, é sorteada. 

3. Agenda - Atividade de cópia de texto com função social na língua (letramento).
Objetivos

- Desenvolver técnicas de escrita (escrever da esquerda para a direita na linha, com capricho, etc.), e registro diário das atividades realizadas durante a aula para acompanhamento dos pais.

4. Atividades de leitura -  Todos os dias os alunos deverão desenvolvê-la. Deve ser realizada preferencialmente com textos que já sejam do domínio dos alunos que ainda não sabem ler convencionalmente.
Objetivos

- Ler quando ainda não sabe ler (convencionalmente). 
- Ajustar o falado ao escrito. 
- Desenvolver a leitura.

Atividades de leitura: 
 Localizar palavras no texto, ordenação de textos (frases), palavras cruzadas, caça-palavras, adivinhas, roda de leitura, roda de poesia, empréstimo de livros, projetos de leitura, etc.

5. Atividades de escrita - Na atividade de escrita, a criança escreve do jeito que ela sabe (hipótese de escrita) e o professor faz intervenções necessárias em relação à escrita, direto com o aluno.
Objetivos

- Avançar na reflexão da língua.
- Resolver a letra a ser usada (qualidade de letra), quantas letras usar (quantidade de letras)
- Escrever textos com sentido (inicio, meio e fim), revisar ortografia e gramática, etc.

Atividades de escrita

Atividades de escrita com o alfabeto móvel, completar textos (lacunas no início ou no final da frase), produção escrita de textos individuais e coletivos (listas, histórias, contos, etc.), reescrita de texto que se sabe de cor, revisão de textos, palavras cruzadas (sem banco de palavras), etc.

domingo, 9 de julho de 2017

O que trabalhar após os alunos passarem para a fase alfabética?

Após os alunos passarem para a hipótese alfabética, o próximo passo é trabalhar com a ortografia das palavras. 
Temos o material abaixo para auxiliar os professores nesta tarefa. Para adquirir, entre em contato pelo email glaucerossi@terra.com.br ou pelos telefones (11) 97575-9228 (Vivo) - (11) 95248-7897 (Tim e WhatsApp).


terça-feira, 27 de junho de 2017

Métodos ou práticas de alfabetização?


Muitos professores ainda definem erroneamente o processo de alfabetização como sinônimo de uma técnica ou método.
As decisões a respeito da prática alfabetizadora tem-se centrado na polêmica sobre os métodos utilizados. Métodos analíticos contra métodos sintéticos, fonéticos, contra global, entre outros. É a busca constante para encontrar um método de alfabetização que funcione.

Porém, mais importante que a busca por um método,  seria o professor verificar que tipo de prática a criança é introduzida na linguagem escrita e como se apresenta no contexto escolar.

Existem práticas que levam a criança a adquirir o conhecimento como mero espectador, deixando, assim, de ser participante da construção. Outras práticas, no entanto, levam o aluno a participar da construção do conhecimento.

É importante saber que  as crianças entram em contato com a linguagem escrita no próprio ambiente em que vivem. Elas formulam hipóteses sobre a escrita, construindo seus próprios conhecimentos. 

É necessário  o professor alfabetizador entender que o processo de aquisição da escrita acontece por meio da formulação de hipóteses pelas crianças. Assim poderá criar inúmeras possibilidades ou práticas pedagógicas sociais da escrita para que os alunos reflitam sobre esse processo, avançando em suas próprias hipóteses.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

ESCRITA ALFABÉTICA

Dicas de atividades para trabalhar com alunos que se encontram na fase alfabética:

ESCRITA ALFABÉTICA

• Investir em conversas e debates diários.

• Possibilitar o uso de estratégias de leitura, além da decodificação

• Considerar o “erro” como construtivo e parte do processo de aprendizagem

• Produção coletiva de diversos tipos de textos.

• Análise linguística das palavras

• Reescrita de texto(individual / coletiva)

• Revisão de texto.

• Atividades de escrita: complete, forca, enigma, stop, cruzadinha, lacunado, caça-palavra.

• Contar número de letra ou palavra de uma frase;

• Pintar intervalos entre as palavras;

• Completar letras que faltam de uma palavra;

• Ligar palavras ao número de letras e a letra inicial;

• Circular ou marcar letra inicial ou final;

• Circular ou marcar letras iguais ao seu nome ou palavra-chave.



• Produção de textos, ditados, listas.

terça-feira, 20 de junho de 2017

ESCRITA SILÁBICA-ALFABÉTICA


Elabore atividades com estas dicas:

ESCRITA SILÁBICA-ALFABÉTICA

• Ordenar frases do texto;

• Completar frases, palavras, sílabas e letras das palavras do texto;

• Dividir palavras em sílabas;

• Formar palavras a partir de sílabas;

• Ligar palavras ao número de sílabas;

• Produção de textos, ditados, listas.

• Cruzadinhas, caça-palavras, forca.

domingo, 18 de junho de 2017

ESCRITA SILÁBICA


Dicas para elaborar atividades para as crianças que se encontram na hipótese silábica:

ESCRITA SILÁBICA

• Fazer listas e ditados variados (dos alfabetizandos ausentes e/ou presentes, de livros de histórias, de ingredientes para uma receita, nomes de animais, questões para um projeto).

• Trabalhar com textos conhecidos de memória, para ajudar na conservação da escrita

• Ditado de palavras do texto.

• Análise oral e escrita do número de sílaba, sílaba inicial e final das palavras do texto.

• Lista de palavras com a mesma silaba final ou inicial;

• Escrever palavras dado a letra inicial;

• Ligar desenho a primeira letra da palavra;

• Usar jogos e brincadeiras (forca, cruzadinhas, caça-palavras);

• Organizar supermercados e feiras; fazer “dicionário” ilustrado com as palavras aprendidas,diário da turma, relatórios de atividades ou projetos com ilustrações e legendas;

• Propor atividades em dupla (um dita e outro escreve), para reescrita de notícias, histórias,pesquisas, canções, parlendas e trava-línguas.

• Produção de textos, ditados, listas.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

ESCRITA PRÉ-SILÁBICA

Com sondagem das fases de aquisição da escrita dos seus alunos, você pode desenvolver uma série de atividades que auxiliam no confronto e avanços das hipóteses de escrita dos alunos.

Aqui estão algumas sugestões:

ESCRITA PRÉ-SILÁBICA

• Iniciar pelos nomes dos alfabetizandos escritos em crachás, listados no quadro e/ou em cartazes.

• Identificar o próprio nome e depois o de cada colega, percebendo que nomes maiores podem pertencer às crianças menores e vice-versa;

• Organizar os nomes em ordem alfabética, ou em “galerias” ilustradas com retratos ou desenhos;

• Criar jogos com os nomes: “lá vai a barquinha”, dominó, memória, boliche, bingo;

• Fazer contagem das letras e confronto dos nomes;

• Confeccionar gráficos de colunas com os nomes seriados em ordem de tamanho (número de letras).

• Fazer estas mesmas atividades utilizando palavras do universo dos alfabetizandos: rótulos de produtos conhecidos ou recortes de revistas (propagandas, títulos,palavras conhecidas).

• Classificar os nomes pelo som ou letra inicial, pelo número de letras, registrando-as;

• Trabalhar com textos conhecidos de memória (parlendas, cantigas, trava-línguas) para ajudar na conservação da escrita.

sábado, 10 de junho de 2017

Alfabetização: sons parecidos

É importante apresentar à criança atividades que a ajudem a distinguir as letras:
P/B ; C/G; F/V; D/T; M/N. 
Estas letras tem sons muito parecidos e as crianças na fase alfabética costumam apresentar erros na escrita,  trocando as letras.
Observe abaixo a diferença entre os sons:


terça-feira, 6 de junho de 2017

Consciência fonológica na alfabetização


A consciência fonológica é a capacidade de identificar e discriminar diferentes sons.
A criança desenvolve a consciência fonológica no contato com o mundo lingüístico, na inserção na cultura onde são privilegiadas diferentes formas lingüísticas, entre quais destacamos as músicas, cantigas de roda, poesias, parlendas, jogos orais, e a fala, propriamente dita.  

Exemplos de Atividades Pedagógicas:

CONSCIÊNCIA DE PALAVRA:  contar o número de palavras numa frase, referindo-o 
verbalmente ou batendo uma palma para cada palavra, ordenar corretamente uma oração ouvida com as palavras desordenadas. 
CONSCIÊNCIA DA SÍLABA: contar o número de sílabas; dizer qual é a sílaba inicial, medial ou final de uma determinada palavra; subtrair uma sílaba das palavras, formando novos vocábulos. 
CONSCIÊNCIA FONÊMICA: dizer quais ou quantos fonemas  formam uma palavra; descobrir qual a palavra está sendo dita por outra pessoa unindo os fonemas por ela emitidos; formar um novo vocábulo subtraindo o fonema inicial da palavra.

Exemplos:

- Após a leitura de um texto, escolher uma palavra e escrevê-la na lousa, fazendo um trabalho de consciência fonológica de som inicial, media e/ou final. 
- Cartazes com figuras – separar as figuras que começam com a mesma letra. 
- Dicionário ilustrado – pedir as crianças que procurem em casa, figuras de coisas que comecem com determinada letra e colar na página correspondente. 
- Bingo fonético – cartão com letras: o/a professor/a monta a figura, as crianças pensam com que letra começa,  marcam ou se tiver uma letra na mão, levantam-na e mostram para a turma. 
-Adição ou subtração de sons: 
MANGA + BA = MANGABA   /     MANGABA – BA = MANGA. 
-Onde está a letra S nas palavras SAPO – LÁPIS. 
-Falar de trás para frente: 
JUCA – CAJU   /     SACA – CASA. 
- Nomes com a mesma letra inicial. 
-Alimentos que começam com a letra A = ARROZ, AÇUCAR. 
-Frutas que começam com a letra M = mamão, maça, melão. 
-Brincar com rimas. 

OBSERVAÇÕES: 
      - Essas atividades são orais. 
      - O importante é brincar com as sonoridades das palavras, que devem ser retiradas, sempre que possível, dos textos trabalhados em sala.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Jogos para trabalhar a ortografia

A alfabetização não termina quando os alunos entram na fase de escrita alfabética.  Pelo contrário, um aluno recém-alfabetizado, ao escrever, percebe que um mesmo som pode ser grafado com diferentes letras e passa a encarar dúvidas de ortografia.
Então o desafio do professor agora é como trabalhar a ortografia com seus alunos.
Já sabemos que os jogos são importantes recursos didáticos para a aprendizagem da escrita.
Após os alunos passarem para a hipótese alfabética, os jogos são poderosos aliados para que eles possam refletir sobre a grafia das palavras, sem, necessariamente, serem obrigados a realizar treinos enfadonhos e sem sentido. 
Ao utilizar o jogo, as crianças mobilizam saberes acerca da lógica da escrita, consolidando aprendizagens já realizadas ou se apropriando de novos conhecimentos nessa área.

Para adquirir, entre em contato pelo email glaucerossi@terra.com.br ou WhatsApp (11) 95248-7897 (Tim) ou ainda telefone (11) 97574-9228 (Vivo).



quinta-feira, 25 de maio de 2017

Tema Festa Junina para trabalhar a alfabetização









O folclore brasileiro está estampado de muitas cantigas juninas. O jeito de nossa gente, as tradições de nosso povo, a mistura de crenças e hábitos.

As canções mais tradicionais poderão ser exploradas em atividades de alfabetização.

Sugestões:

* Canções com lacunas para a criança completar.
* Colocar os versos na ordem da canção.
* Acompanhar com o dedo a canção, mesmo sem saber ler.
* Recriar os textos, criando novas versões das tradicionais cantigas.
* Cantigas famosas poderão ser transformadas em livros com ilustrações.
* O vocabulário típico poderá ser explorado, ampliando o repertório do aluno.
* Um interessante trabalho com rimas poderá ser desenvolvido.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Jogos para a alfabetização





























Para adquirir, entre em contato pelo email glaucerossi@terra.com.br ou pelos telefones (11) 97575-9228 (Vivo) - (11) 95248-7897 (Tim e WhatsApp).

sábado, 29 de abril de 2017

Práticas para o professor alfabetizador


1. Fazer um levantamento do que os alunos já sabem sobre a escrita. 
Através da sondagem da escrita,  o professor vai fazer um diagnóstico para saber a fase da escrita que seus alunos se encontram: pré-silábicos, silábicos, silábicos-alfabéticos e alfabéticos. É feito um ditado com uma lista de  palavras e a partir desta sondagem o professor poderá planejar as suas aulas. 

2. Planejar atividades a fim de levar os alunos a refletirem sobre o sistema de escrita e avançarem em suas hipóteses. 
Para isso é preciso utilizar atividades com textos curtos e de memória como parlendas e cantigas, atividades com cruzadinhas, listas etc. No decorrer da atividade o professor deve desafiar os alunos a pensarem sobre a escrita. A intenção é fazer com que as crianças investiguem quais letras, quantas e onde usá-las para escrever. 

3. Realizar atividades em que predominam as práticas de linguagem. 
A importância destas atividades é levar a criança a entender as funções e organização da escrita. O professor deve ler em voz alta para a turma diversos tipos de textos, além de produzir junto com a turma textos onde ele é o escriba.

4. Trabalhar com atividades permanentes de leitura e escrita
Todos os dias planejar atividades de leitura como, por exemplo, a leitura em voz alta pelo professor e atividades que envolvam a escrita, por exemplo, escrever uma lista de brinquedos.

5. Trabalhar com projetos ou sequências didáticas
Para dar um sentido maior às atividades realizadas, é importante trabalhar com contextos e atividades contínuas onde se incluem desafios reais de aprendizado. 

domingo, 23 de abril de 2017

DIA DO TRABALHO

Uma sugestão para trabalhar o Dia do Trabalho é utilizar a música "Criança não trabalha".
Em uma roda de conversa, discutir por que a criança não deve trabalhar e se hoje tem crianças que trabalham. O que as crianças devem fazer no lugar do trabalho? (estudar, brincar).

Clique em cima da imagem e em salvar para visualizar melhor a atividade:




sexta-feira, 21 de abril de 2017

10 livros sobre alfabetização

Resultado de imagem para Alfabetização: A Questão de Métodos, de Magda Soares







Alfabetização: A Questão de Métodos, de Magda Soares

Resultado de imagem para psicogênese da lingua escrita emilia ferreiro
 Psicogênese da Língua Escrita, de Emilia Ferreiro e Ana Teberosky
Resultado de imagem para alfabetização e letramento livro
Alfabetização e Letramento, de Magda Soares
Resultado de imagem para com todas as letras
Com todas as letras, de Emilia Ferreiro
Resultado de imagem para diante das letras livro
Diante das letras: a escrita na alfabetização, de Luiz Carlos Cagliari
Resultado de imagem para alfabetização leitura do mundo
Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra, de Paulo Freire
Resultado de imagem para além da alfabetização
Além da alfabetização, de Ana Teberosky
Resultado de imagem para alfabetizaçãopossivel livro
Alfabetização possível, de Jaqueline Moll
Resultado de imagem para Coleção didática da alfabetização, de Esther P. Grossi

Coleção didática da alfabetização, de Esther P. Grossi
Resultado de imagem para alfabetização em processo
Alfabetização em processo, de Emília ferreiro

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Existe idade certa para alfabetizar?

Qual a idade ideal para uma criança ser alfabetizada? Existe idade certa? Perguntas assim fazem parte das dúvidas dos pais, na maioria das vezes, logo que a criança completa de três a quatro anos. Tenho recebido vários e-mails de pais sobre este assunto, por isso resolvi escrever. Percebo muitas vezes uma ansiedade e angústia por parte dos pais no encaminhamento de seus filhos à escola, mais precisamente ao processo de alfabetização.

Mas será mesmo que o começo desta experiência está nas mãos do adulto?
Acredito que não há a idade certa para a alfabetização, o que existe é o momento certo.
O caminho da alfabetização começa desde pequeno, antes dos seis anos, as atividades de “pré-alfabetização” são importantes para que este processo ocorra tranqüilamente, mas isso não quer dizer que deva preparar as crianças para a alfabetização com atividades prontas e sim estimular o contato com nomes, placas, jornais, revistas, livros e tudo o que tiver letras. Dar oportunidades para interagir com o mundo letrado. Assim é própria criança que vai dizer qual é o melhor momento certo para ela aprender a ler e a escrever, quando ela nos procura, nos faz perguntas, mostra-se ávida por saber e descobrir coisas novas.


As crianças antes dos seis anos, principalmente, precisam de muito estímulo, afetividade e integração, além do conteúdo. Também nesta idade as brincadeiras em grupo e vivências auxiliam as crianças no seu desenvolvimento global, tanto no aspecto emocional, cognitivo e social. O espaço físico para as brincadeiras também é algo importante do pai analisar na hora de escolher a escola. É essencial, principalmente entre dois e três anos, a criança ter espaço para desenvolver o lúdico, mais do que atividade em sala de aula.

Cada criança é única, assim como algumas aprendem a andar cedo, outras começam a falar cedo. Também na alfabetização, umas aprendem com quatro anos, outras com cinco ou até sete anos. Há crianças que aprendem com mais de oito anos. Isso não quer dizer que uma é melhor que a outra, ou que estas últimas apresentam problemas por terem mais idade.

O importante é respeitar o desenvolvimento e o ritmo da criança, seja qual for a idade dela.

terça-feira, 11 de abril de 2017

O que são atividades de leitura e escrita

No processo de alfabetização, as atividades de leitura são aquelas em que a criança é desafiada a pensar sobre o valor sonoro do código alfabético para realizar a leitura.
Ela precisa de estratégias para localizar palavras, frases, letras etc. Isto se torna mais fácil quando o texto é conhecido, como o caso das parlendas, poemas, cantigas etc. Nestes textos, a criança precisa relacionar o que sabe que está escrito com o que realmente está escrito. Ela precisa fazer ajustes na leitura, pensando onde começa e onde termina o que está lendo. Aos poucos, com os conhecimentos que vai adquirindo, a criança tece estratégias para realizar a leitura. Por exemplo, numa lista, ela pode apontar um determinado nome porque conhece o valor sonoro da letra inicial. Neste momento, é possível oferecer a criança atividades como cruzadinha em que haja um banco de palavras ou atividades em que ela precise localizar um determinado nome. Por exemplo: para a figura de um morango, escreva duas palavras: morango e tomate. Se a criança atribui valor sonoro a letra inicial ou final, vai realizar a atividade sem problemas.
O uso do texto memorizado é um importante recurso na alfabetização. Com ele a criança sente que pode ler, ainda que não convencionalmente. Após recitá-lo ou cantá-lo várias vezes, o professor pode pedir às crianças que leiam, acompanhando o texto da lousa ou do cartaz. Neste momento, a criança exercita o ajuste da leitura, que precisa terminar junto com a fala.

Nas atividades de escrita, a criança é levada a utilizar todos os conhecimentos que já adquiriu sobre a questão, como por exemplos: a posição das letras, o código alfabético, as quantidades de letras necessárias etc. Este trabalho geralmente pode ser feito em duplas, nas quais os saberes sejam diferentes, ou individualmente, dependendo do objetivo do professor.
Para a escrita, o professor precisa entender a fase de escrita em que a criança se encontra para que possa fazer intervenções a fim de que ela avance em sua fase. A produção escrita da criança deve ser realizada desde o início da alfabetização, mesmo se ela não é alfabética. Pode-se escrever listas, parlendas, poemas, canções, histórias etc.
Achar que a escrita do aluno não-alfabético está errada e que ele não sabe nada, é desrespeitar o momento do processo de construção da escrita pela criança.

domingo, 2 de abril de 2017

PÁSCOA - PLANO DE AULA

TEMA: CONSTRUÇÃO DA BASE ALFABÉTICA

OBJETIVOs:
·     Que os alunos possam avançar na reflexão sobre o sistema de escrita.
·      Levantar questões de ortografia (alfabéticos).

CONTEÚDO:
·     Receita de docinho

Procedimentos:
·     Apresentar a receita aos alunos e conversar sobre a função do texto, mostrar um livro de receitas para que os alunos conheçam o portador do texto;
·     Pedir para que eles completem as palavras que estão faltando no texto;
·     Organizar agrupamentos em função do que os alunos sabem sobre a escrita.
·     Para os alfabéticos, ler autonomamente a receita e completá-la;
·     Socializar respostas.

recursos:
·     Cópia com a receita (faltando os ingredientes)
·     Quadro-negro.

Avaliação: 
Registro das observações dos alunos.

OBS. APROVEITE A RECEITA PARA FAZER O DOCINHO COM SEUS ALUNOS.


RECEITA

DOCINHO DE CHOCOLATE

INGREDIENTES:

2 LATAS DE   __ __ __ __ __  CONDENSADO

1  __ __ __ __   DE LEITE EM PÓ

1 LATA DE CHOCOLATE EM  __ __

UMA  __ __ __ __ __ __  DE CHÁ DE AÇÚCAR



MODO DE PREPARO: 

COLOQUE EM UMA TIGELA TODOS OS INGREDIENTES E MISTURE BEM A MASSA. 

AMASSE TUDO, ENROLE O DOCINHO, PASSE NO AÇÚCAR E COLOQUE NUMA BANDEJA. 

PRONTO, AGORA VOCÊ JÁ PODE SABOREAR ESSE DELICIOSO DOCINHO!

Seguidores