VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).

Tenho também CDs de áudio para Educação Infantil e Fundamental I, cartazes em EVA e livros infantis.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MEU SITE E FAZER SEU PEDIDO

Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

glaucerossi@bol.com.br

(11) 97574-9228 - Vivo

(11) 95248-7897 - Tim

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.

WhatsApp

(11) 95248-7897

Loja virtual

CADASTRO DE CONTATO

FACEBOOK

quarta-feira, 18 de abril de 2012

18 de abril - Dia do livro infantil

Comemora-se nesse dia, para homenagear Monteiro Lobato, um grande escritor que escreveu várias obras infantis e juvenis, dentre elas O Sítio do Pica-Pau Amarelo de grande sucesso.
A leitura do professor para os alunos, que deve ser uma atividade de todos os dias, e o contato com os livros pelas crianças possibilitam uma viagem ao o mundo letrado, repleto de histórias e fantasia, imaginação.

Aproveito para sugerir o trabalho com o PROJETO AMIGO LIVRO que contém 50 atividades, onde cada uma está relacionada a um livro infantil  para a leitura em sala de aula, a fim de  incentivar o gosto pelos livros.O Projeto contém ainda capa, justificativa, objetivos, desenvolvimento, culminância e avaliação.

"Um país se faz com homens e livros" - Monteiro Lobato

terça-feira, 17 de abril de 2012

Para os pais incentivarem seus filhos a ler
















O gosto pela leitura nem sempre surge «do nada». Para que possa ajudar o seu filho a gostar de ler e a fazê-lo sem dificuldade, deixo aqui alguns conselhos práticos.

1. Fazer uma pausa na atividade cotidiana
Reserve um intervalo de tempo durante o qual sabe que não vai/vão ser perturbado/s. Quinze minutos é um intervalo de tempo suficiente.

2. Tornar a leitura agradável
Faça da leitura uma experiência agradável. Sente-se ao lado da criança. Não a pressione se ela mostrar alguma resistência e, se ela não estiver realmente interessada, opte por outra atividade ou deixe-a livre para fazer o que pretende na altura.

3. Não fazer interrupções bruscas
Se a criança ler mal uma palavra, não a interrompa de imediato. Esse intervalo dar-lhe-á a hipótese de se corrigir. Se não resultar, dê-lhe exemplos de outras palavras "difíceis" com um som semelhante para que não fique presa àquela palavra em particular e tente resolver o problema por si.

4. Ter uma atitude positiva
Evite expressões como "Não!" ou "Está mal!". Utilize expressões como "Agora vamos ler juntos..." e aponte para as palavras à medida que, lentamente, as lê. Aumente a autoestima da criança elogiando todos os progressos, até os aparentemente mais insignificantes.

5. Combater a ansiedade
Se os pais demonstrarem uma grande ansiedade, podem levar a criança a sentir que "é tudo muito difícil". Escolha livros com textos adequados aos gostos e capacidades da criança. Debater-se com um livro cheio de palavras "difíceis" pode dar origem a uma "fobia" da leitura, uma vez que a falta de fluência na mesma faz com que a criança não perceba o que lê e não retire prazer dessa atividade.

6. Ir à biblioteca
Habitue a criança a visitar e a requisitar livros nas bibliotecas públicas, escolares ou outras.

7. Fazer da leitura uma prática regular
Tente criar a rotina de ler com a criança todos os dias ou, pelo menos, nos dias de escola. Não esqueça que os professores têm pouco tempo para se dedicar individualmente a cada criança.

8. Manter contato regular com a escola e com o professor
Fale com o professor e mantenha-se informado sobre os progressos da criança. Se ela souber do seu interesse sentir-se-á mais motivada.

9. Falar sobre os livros
Antes de iniciar a leitura (ou no final), fale sobre o livro que a criança vai ler. Fale das imagens e até do tipo de letra. Se o livro já for conhecido pode falar sobre a parte favorita da criança. Esta é também uma forma de ficar a saber se a criança percebeu o que leu.

10. Promover a variedade
Escolha livros de gêneros diferentes para as sessões de leitura. Varie com gibis, livros de poemas, revistas etc. Deixe a criança escolher também.


Temos à venda kit de livrinhos infantis, entre no meu site:

quinta-feira, 12 de abril de 2012

PROMOÇÃO: LIVROS INFANTIS












Os livrinhos despertam a curiosidade das crianças por serem contos de fadas, fábulas e sobre animais que são temas que as crianças adoram. Tenha sempre em um cantinho ou em uma caixa para que os alunos possam entrar em contato com o maravilhoso mundo das letras. Ideal para crianças que estão sendo alfabetizadas ou alunos com dificuldades na leitura.

Kit de livros Infantis por apenas R$16,00 com frete.

Clássicos de Ouro (10)
Fábulas inesquecíveis (10)
Folclore em contos e cantos (10)

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Alfabetização segundo Emília Ferreiro

Para Emilia Ferreiro, o ato de ensinar desloca-se para o ato de aprender por meio da construção de um conhecimento que é realizado pelo educando, que passa a ser visto como um agente e não como um ser passivo que recebe e absorve o que lhe é "ensinado". Na perspectiva dos trabalhos desenvolvidos por Ferreira, os conceitos de prontidão, imaturidade, habilidades motoras e perceptuais, deixam de ter sentido isoladamente como costumam ser trabalhados pelos professores. Estimular aspectos motores, cognitivos e afetivos são importantes, mas, vinculados ao contexto da realidade sociocultural dos alunos. Para a educadora, é necessário para o processo de aquisição da escrita que o professor compreenda os diferentes níveis em que os alunos se encontram e vão se desenvolvendo durante o processo de alfabetização. Ferreiro coloca que para a alfabetização ter sentido, ser um processo interativo, é preciso trabalhar com o contexto da criança, com histórias e com intervenções, desde que essas palavras ou histórias façam algum sentido para elas.
Não é porque o aluno participa de forma direta da construção do seu conhecimento que o professor não precisa ensiná-lo. Ou seja, cabe ao professor organizar atividades que favoreçam a reflexão da criança sobre a escrita, porque é pensando que ela aprende.
Definitivamente, não existe o "método Emília Ferreiro", com passos predeterminados, como muitos ainda possam pensar. Os professores têm à disposição uma metodologia de ensino da língua escrita coerente com as mudanças apontadas pela psicolinguista, produzida por educadores de vários países.O fato de a criança aprender a ler e escrever lendo e escrevendo, mesmo sem saber fazer isso, é um desses princípios. Nas escolas construtivistas, os alunos se alfabetizam participando de práticas sociais de leitura e de escrita. É oportuno lembrar que o construtivismo não é um método de ensino. Construtivismo se refere ao processo de aprendizagem, que coloca o sujeito da aprendizagem como alguém que conhece e que o conhecimento é algo que se constrói pela ação deste sujeito. Nesse processo de aprendizagem o ambiente também exerce seu papel, pois, o sujeito que conhece faz parte de um determinado ambiente cultural. 

Seguidores