VENDA DE APOSTILAS E PROJETOS

Como complemento ao meu trabalho neste blog, elaborei para venda diversas apostilas de atividades de alfabetização e projetos pedagógicos de variados temas indicados para professores que atuam em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Alfabetização de Jovens e Adultos (EJA).


Os interessados poderão também entrar em contato por email ou pelos telefones abaixo:

glaucerossi@terra.com.br

glaucerossi@gmail.com

glauce.rossi@hotmail.com

WhatsApp (11) 97574-9228 (Vivo)

Glauce ou Hugo no horário de atendimento das 9:00 às 20:00 de segunda à sexta-feira.


CLIQUE AQUI PARA ACESSAR MINHA LOJA DE MATERIAIS

CADASTRO DE CONTATO

domingo, 13 de novembro de 2016

Alfabetização no final do ano

sábado, 5 de novembro de 2016

Atividade para alunos com dificuldades na alfabetização


Chegando ao final do ano o que fazer com os alunos que  ainda não avançaram em suas hipóteses de escrita?  

Para facilitar o aprendizado destes alunos:

- Verifique em qual fase da escrita o aluno se encontra. Muitas vezes temos dúvidas com relação a fase de escrita do aluno. Leia mais, peça ajuda, pesquise..., precisamos nos atualizar. Faça a sondagem da escrita novamente e tenha certeza da fase da escrita que a criança se encontra.

- Utilizando atividades com um tema específico que agrade a criança e desafie seus alunos a pensarem sobre a escrita.

Exemplo de atividade:


Propor desafios:

Explique como fazer a atividade. Para isso os alunos devem contar quantas letras tem a palavra e procurá-la no banco de palavras (abaixo da cruzadinha).

Para os alunos pré-silábicos é importante eles perceberem que para cada palavra existe um certo número de letras. Com a cruzadinha, ele vai ter que buscar uma palavra com 5 letras, por exemplo.

Para os alunos silábicos, eles precisam observar que não basta usar uma letra para cada sílaba, como exemplo, UA para BRUXA. Com a cruzadinha eles precisam verificar quantas letras tem cada palavra. É essencial que eles leiam a palavra mostrando com o dedo.

Para os silábicos-alfabéticos e alfabéticos dê a cruzadinha sem o banco de palavras. Eles vão colocar em jogo a ortografia de cada palavra.

Material para auxiliar no processo:


domingo, 23 de outubro de 2016

ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO: HALLOWEEN




sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Planos, atividades, sequências ou projetos?


Para preservar o sentido do conteúdo, evitar sua fragmentação e distribuir os temas em função do tempo de aprendizagem, o ensino pode ser organizado de acordo com as chamadas modalidades organizativas. Abaixo, você confere um resumo sobre cada uma das modalidades: 

Plano de aula Forma de organizar a aula com foco numa atividade específica (leitura de um texto, resolução de um tipo de problema matemático etc.). Como dura apenas uma aula, costuma ser usado para apresentar um conteúdo ou explorar um detalhe dele. 

Atenção Não se esqueça de incluir uma atividade diagnóstica inicial (para verificar os alunos sabem sobre o assunto) e uma avaliação final (para indicar o que aprenderam). 

Atividade permanente Também chamada de atividade habitual, é realizada regularmente (todo dia, uma vez por semana ou a cada 15 dias). Ela serve para construir hábitos e familiarizar os alunos com determinados conteúdos. Por exemplo: a escrita de parlendas e de listas, semanalmente.

Atenção Ao planejar esse tipo de tarefa, é essencial saber o que se quer alcançar, que materiais usar e quanto tempo tudo vai durar. Vale sempre contar para as crianças que a atividade em questão será recorrente. Com o tempo, os alunos passam a prever a atividade que será proposta, de tão habituados. 

Sequência didática Conjunto de propostas com ordem crescente de dificuldade. O objetivo é focar conteúdos particulares (por exemplo, a regularidade ortográfica) numa ordenação com começo, meio e fim. Em sua organização, é preciso prever esse tempo e como distribuir as sequências em meio às atividades permanentes e aos projetos. 

Atenção É comum confundir essa modalidade com o trabalho do dia a dia. A questão é: há continuidade? Se a resposta for não, você está usando uma coleção de atividades com a cara de sequência. 

Projeto didático Reunião de atividades que se articulam para a elaboração de um produto final forte, em que podem ser observados os processos de aprendizagem e os conteúdos aprendidos pelos alunos. Costuma partir de um desafio ou situação-problema. Trabalhados com uma frequência diária ou semanal, podem estender-se por períodos relativamente prolongados (um ou dois meses, por exemplo), tornando os alunos especialistas num determinado tema. 

Atenção O erro mais comum é um certo descaso pelo processo de aprendizagem, com um excessivo cuidado em relação à chamada culminância (a elaboração do produto final).


fonte: Revista Nova Escola

➨VEJA TAMBÉM:





quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Gincana Dia das Crianças




Desenvolvimento:

- Dividir os alunos igualmente em 4 equipes com as cores: verde, vermelho, azul e amarelo.
- Enviar o bilhete abaixo para os alunos:

Bilhete
Nome_______________

Não se esqueça... Agende!!!
O quê? – Uma tarde em sua homenagem.
Quando? ______________________
Onde? – No Colégio _______________
Como? – Esteja alegre, sorridente, sem lanche, nem material
e com uma roupa ou alguma peça (boné, tiara, faixa, etc.)
na cor _______________
Por quê? – Você vai se divertir a valer com a equipe dessa cor...

Até lá e um abraço,
As Professoras


- Sugestão de tarefas a serem desenvolvidas no dia da gincana:

Corrida de patins: escolher um número de alunos de cada equipe, seis, por exemplo e entregar um par de patins para cada equipe; com os corredores em fila, dar um sinal para que o primeiro da fila calce os patins e saia correndo e vá até um ponto previamente marcado e volte, dê os patins para o próximo corredor que dará seqüência à competição. Vence a equipe que for a mais rápida.

Chute a gol: escolher um número de alunos de cada equipe, seis, por exemplo. A um sinal dado um competidor de cada equipe tenta acertar o gol, numa mini trave que deverá ser previamente providenciada. Vence a equipe que marcar mais gols.

Montar um quebra-cabeça: a cada equipe é dado um quebra-cabeça, de preferência um grande, para que montem em uma equipe de 4 alunos. Vence a equipe que montar primeiro.

Campeonato de bambolê: escolher um número de crianças de cada equipe para competir quem fica mais tempo rodando o bambolê. A competição dura até que só fique uma crinaça com o bambolê e dará o ponto para a equipe dela.

Estátua: colocar uma música para tocar enquanto as crianças dançam; e ao para a música todos devem parar na posição em que está. Quem mexer sai. E a brincadeira dura até que fique de 1 a 3 participantes e dará ponto para a equipe (nesta brincadeira participa um número bem grande de crianças).

Dança das cadeiras: Faz-se uma roda de cadeiras e outra de pessoas. Sendo que o número de cadeiras deve ser sempre um a menos. Toca-se uma música animada. Quando a música parar, todos devem sentar em alguma cadeira. Quem não conseguir sentar, é eliminado e tira-se mais uma cadeira. Ganha quem sentar na última cadeira.

Estoura bexigas: Em fileiras, cada jogador terá uma bexiga que deverá estourá-la em um colchão no lugar selecionado. Ganha a equipe que estourar todas as bexigas primeiro.
Corrida dos sacos: Cada criança deve entrar dentro de um saco de linhagem e amarrá-lo na cintura. É uma corrida de ida e volta. Na ida, vai de frente. Na volta, vem de costas. Se cair, levanta e continua. Ganha quem chegar primeiro.

- Pontue a equipe mais animada, a que melhor se comportou etc. Isso garante a organização do trabalho e trabalha o espírito esportivo, o respeito às regras, etc.

- Essas são apenas algumas atividades. Fica a critério dos organizadores o número de tarefas e quais devem ser desenvolvidas. É importante dar oportunidade para todos participarem. Premiar a equipe campeã com medalhas, ou dar sacolinha surpresa, ou sorvete para todos.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Folclore - Plano de aula

Objetivos:
Resgatar os valores culturais.
Despertar nos alunos o interesse pela leitura e escrita.
Proporcionar aos alunos o conhecimento da riqueza cultural do folclore.
Desenvolver a linguagem oral e escrita, como também a criatividade.

Conteúdo: Livro: "O meu livro de adivinhas" ou pode ser utilizado outro livro de adivinhas

Desenvolvimento:
-A professora perguntará à turma se sabem o que são adivinhas. Após ouvir as respostas explicar que adivinhas são perguntas em formato de charadas desafiadoras que fazem as pessoas pensarem e se divertirem. São criadas por indivíduos de diferentes localidades e fazem parte da cultura popular e do folclore brasileiro. São muito comuns entre as crianças, mas também fazem sucesso entre os adultos.
-Apresentação e comentários do  livro.
-Enquanto a professora for lendo o livro, as crianças terão que adivinhar as respostas de cada adivinha.
-Atividade escrita (alfabetização):




Avaliação: Registro contínuo das observações dos alunos na participação e na execução da atividade.


Mias atividades aqui: https://sites.google.com/site/atividadesdaprofaglauce/projeto-folclore

segunda-feira, 11 de julho de 2016

quinta-feira, 16 de junho de 2016

PROJETO DE LEITURA

O  PROJETO AMIGO LIVRO incentiva o gosto pela leitura já que a criança leva o livro para casa favorecendo um maior contato dela com o livro.


JUSTIFICATIVA:

As histórias estão presentes em nossa cultura há muito tempo e o hábito de contá-las e ouví-las tem inúmeros significados. Está relacionado ao cuidado afetivo, à construção da identidade, ao desenvolvimento da imaginação, à capacidade de ouvir o outro e à de se expressar. Além disso, a leitura de histórias aproxima a criança do universo letrado e colabora para a democratização de um de nossos mais valiosos patrimônios culturais: a escrita.
Por isso, é importante favorecermos a familiaridade das crianças com as histórias e a ampliação de seu repertório. Isso só é possível por meio do contato regular dos pequenos com os textos, desde cedo, e de sua participação freqüente em situações diversas de conto e leitura.
Assim, o livro deve ser mostrado com dimensão do prazer e da alegria, para que o aluno perceba que ler é uma viagem maravilhosa e não apenas mais uma das atividades de escola.


OBJETIVOS:

• Incentivar a leitura e o contato com os livros desde cedo.

• Fazer com que construam o hábito de ouvir e sentir prazer nas situações que envolvam a leitura de histórias.

• Familiarizá-los com histórias e ampliar seus repertórios.

• Levá-los ao cuidado no manuseio de livros.

• Proporcionar o uso da biblioteca da escola, favorecendo a circulação de livros.

• Tornar a leitura um ato prazeroso.

• Possibilitar a integração dos pais com os filhos através do projeto de leitura, para que se torne um hábito familiar.

CONTEÚDOS:

a) Conceituais: Construir critérios próprios para selecionarem o livro que vão levar.

b) Procedimentais: Utilizar a sala de leitura na escolha de livros.

c) Atitudinais: Permitir que as crianças construam o hábito de ouvir e ler histórias. Conscientizar-se da importância da preservação dos livros.


PROCEDIMENTOS:

No final de semana os alunos levarão a sacolinha com o livro para casa. Com a ajuda dos pais terão dois dias para lerem história do livro. No início da semana os livros deverão ser devolvidos à sala de leitura.


AVALIAÇÃO:

Ocorrerá durante todo o processo, a partir da observação direta das atitudes do aluno-leitor.


Veja também:


sábado, 21 de maio de 2016

Plano de aula de alfabetização- Festa Junina

Objetivos:


  • Resgatar uma canção popular, propiciando o gosto pela Festa Junina.
  • Que os alunos possam avançar na reflexão sobre o sistema de escrita.

Conteúdo:

- Música: O BALÃO VAI SUBINDO

Procedimentos:


·        Garantir que os alunos saibam a música de memória;
·        Organizar duplas em função do que os alunos sabem sobre a escrita (pré-silábicos com silábicos, silábicos sem valor com silábicos com valor; silábicos alfabéticos com alfabéticos)
·        Cantar ou utilizar um CD com a música junto com os alunos, levando-os a identificar as partes do escrito;
·        Pedir para que eles localizem palavras no texto;
·        Socializar respostas.

Recursos:

- Cartaz com a música escrita em letra bastão.
- Cópias da letra da música.


Avaliação:

Registro das observações dos alunos, mantendo um controle para que permita intervir junto aos alunos nas próximas atividades.

terça-feira, 17 de maio de 2016

PLANO DE AULA

Sendo que o plano de aula é o módulo mínimo de planejamento, essa atividade é dada em uma única aula. 
Devem estar claros para o professor: o conteúdo a ser trabalhado, os objetivos de aprendizagem, os procedimentos para desenvolver a aula e como será avaliado o aproveitamento do aluno.

Abaixo segue um exemplo de plano de aula a ser aplicado em classe de alfabetização, utilizando a lista de nomes dos alunos.


PLANO DE AULA

Objetivos:

-Escrever listas de palavras/textos significativos;
-Construir um repertório de palavras estáveis.
-Levantar questões de ortografia (alfabéticos).

Conteúdo:

Lista de nomes próprios.


Procedimentos: 

-Ajustar o nível de desafio às possibilidades dos alunos, para que realmente tenham problemas a resolver;
-Organizar agrupamentos produtivos, em função do que os alunos já sabem sobre a escrita;
-Ler a proposta definindo o que devem fazer: escrever o nome de quinze alunos da classe.
-Garantir a circulação de informações, promovendo a socialização das respostas e dos procedimentos usados pelas duplas;


Avaliação:

Registro contínuo das observações dos alunos na execução da atividade.


sábado, 14 de maio de 2016

AS FORMAS DE PLANEJAR DO PROFESSOR

Plano de aula


Módulo mínimo de planejamento, essa atividade é dada em uma única aula. Pode ser avulsa ou estar inserida em uma seqüência didática ou em um projeto.
Devem estar claros para o professor: o conteúdo a ser trabalhado, os objetivos de aprendizagem, que recursos serão necessários para desenvolver a aula e como será avaliado o aproveitamento do aluno.


Projetos de ensino

Tem duração longa, pode levar até um ano. Envolve a construção de um produto final – um livro, uma exposição, uma campanha, por exemplo – destinado a um público definido, que podem ser outros alunos, os pais, os moradores do bairro etc. Nesse caso, a participação da turma se dá em todas as etapas do planejamento.

Sequência didática


Nessa modalidade, a duração é limitada a algumas semanas de aula. O conteúdo é mais específico que o de um projeto e é explorado em atividades seguidas, que se tornam cada vez mais complexas.

Plano de ensino

É o planejamento do que vai ser trabalhado durante o semestre ou o ano letivo.
No caso do professor polivalente, envolve os objetivos de aprendizagem de todas as disciplinas, os conteúdos a serem trabalhados, os procedimentos a serem utilizados, os recursos didáticos e as formas de avaliação.




Veja também Projetos e Planejamentos:
https://sites.google.com/site/diariodaprofaglauce/1o-e-2o-anos

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Como trabalhar com situações-problemas

As situações-problemas devem permitir aos alunos elaborarem diferentes procedimentos, proporcionando desafios que os motivem a superarem seus resultados.

Dar oportunidade aos educandos de explorar diferentes possibilidades de resolver um problema é fundamental para conseguirem criar seus próprios registros, inventar uma maneira apropriada de fazer a representação.

Isso deve ser realizado com a socialização das situações em que as crianças podem defender seus procedimentos e resultados perante o grupo. Assim os alunos terão oportunidade de comparar sua forma de resolver um problema com a usada pelos colegas.


Veja o exemplo do problema a seguir aplicado em uma classe de 2º ano:

Na bandeja da Cida cabem 40 doces. Ela tem apenas 24 doces. Quantos doces Cida precisa fazer para completar a bandeja?

Alguns alunos fizeram assim:

40 -
24
---
16
Cida precisa fazer 16 doces.


Um dos alunos resolveu assim:

24 +
16
----
40
Ela tem que fazer mais 16 doces.


Outros fizeram o registro com desenhos, bolinhas, palitinhos e chegaram na solução do problema.

"Perceber que cada um pode resolver um problema usando seus próprios recursos de cálculo é descobrir que não há um caminho único para encontrar a solução do problema."



Veja também:


domingo, 1 de maio de 2016

Apostila de alfabetização para EJA


OLÁ!!!

Tenho duas apostilas de alfabetização destinadas aos jovens e adultos.

Apostila de alfabetização de jovens e adultos sócio-construtivista
Baseada em um ensino sócio-construtivista,  a apostila apresenta atividades com os níveis de aquisição do aluno pela escrita: pré-silábico, silábico. silábico-alfabético e alfabético.
Ela envolve textos presentes em nosso dia-a-dia, como coisas que fazem parte do cotidiano deles: confecção de bilhetes, listas de compras, poemas relacionados com sua vida cotidiana, letras de música, receitas culinárias, anúncios etc.

Apostila de alfabetização de jovens e adultos com método silábico

O processo de alfabetização acontece através das sílabas das palavras. A apostila envolve o cotidiano dos alunos através de palavras conhecidas por eles. Segue o método Paulo Freire.
As duas apostilas trabalham com assuntos reais e de interesse dos alunos do EJA.



Os interessados em adquirir, por favor entrem em contato pelo site:
https://sites.google.com/site/atividadesdaprofaglauce/jovens-e-adultos

"Não basta saber ler que Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho."
(Paulo Freire, in Educação na Cidade, 1991)




quarta-feira, 27 de abril de 2016

Alfabetização em Matemática


A primeira coisa que as crianças em processo de alfabetização precisam saber “é o que representam aqueles risquinhos pretos em uma página branca” e que sendo estes risquinhos no papel símbolos dos sons da fala, é “necessário entender o que é um símbolo”.

Na matemática, a representação das operações se faz sobretudo através de símbolos – números, sinais – o que torna a linguagem matemática abstrata.

Trabalhar a questão dos signos na escola seria essencial para que os alunos compreendessem que o numeral 2, por exemplo, está em lugar da quantidade b b, representa a quantidade na escrita matemática, criado através de uma convenção, a partir da necessidade social.

Antes de se iniciar o processo de alfabetização, deve-se mostrar à criança diversos símbolos: “Cor vermelha, no sinal de trânsito, simboliza a instrução Pare. A cor verde simboliza a instrução Ande. O dedo polegar voltado para cima simboliza a informação Tudo bem.” e outros símbolos de uso comum no cotidiano da criança, porque “uma criança que ainda não consiga compreender o que seja uma relação simbólica entre dois objetos não conseguirá aprender a ler.

E com a matemática acontece a mesma coisa, é necessário a noção de símbolos para apropriar-se dos conceitos matemáticos.


domingo, 10 de abril de 2016

Jogos para trabalhar a ortografia


1 - Monte e remonte:

Escreva no quadro ou em folha uma palavra que tenha o menor número de letras repetidas. Estipular um tempo para a duração da atividade e pedir aos alunos para lembrarem e escreverem o maior número de palavras possíveis com as letras dessa palavra, sem repeti-las no mesmo termo encontrado.
Esta atividade trabalha a rapidez, percepção visual, ortografia e vocabulário.

Exemplo: Palavra escolhida - PERNAMBUCO
Exemplos de palavras encontradas: perna- barco- compra- boca- nabo- banco- copa- ano- rapé- ópera- amor- comer- peru- perca- bem- não- rena- buraco- mar- muro- pano- pé- cor

2 - Palavra puxa palavra:

Nessa atividade, o professor lança uma palavra e os alunos apresentam outras que se relacionem com a primeira.
Exemplo: Palavra escolhida: FOGO.
Palavras relacionadas: incêndio- dor- ambulância- feridos- bombeiro- morte- gritos- pânico- tristeza- medo- fogão- comida- queimadura.

3 - Memória auditiva:

O professor diz uma frase que deve ser repetida e ampliada pelo aluno.
Exemplo:
Professor: Fui ao zoológico e vi um elefante...
Aluno 1: Fui ao zoológico e vi um elefante e um urso...
Aluno 2: Fui ao zoológico e vi um elefante, um urso e uma girafa...

4 - Dizer duas palavras:

O aluno deverá separar a primeira sílaba de cada uma e formar outra:
Exemplo:
Pedal à Rato = Pêra
Figura à Tapete = Fita
Panela à Novelo = Pano
Usando a mesma técnica, aumentar o número de palavras, criando dificuldades crescentes.
Exemplo:
Cabelo à Nevada à Tapa = Caneta
Trio à Antes à Guia à Loto = Triângulo
Cama à Ramo à Muda à Jogo = Caramujo

5- Rimando:

O professor oferece aos alunos uma caixa contendo cartões, cada um com uma palavra, sendo que as palavras rimam entre si.
Exemplo: pato - mato – gato / coelho - espelho – joelho / abelha - orelha - ovelha
Cada aluno, após ter recebido um dos cartões, deverá procurar entre os colegas aqueles que têm o cartão com uma palavra que rime com a sua.
Agrupados por terminação, os alunos escreverão outras palavras que rimem com as que já possuem.

Os jogos relacionados acima só devem serem trabalhados com os alunos alfabéticos.


PARA ADQUIRIR ENTRE EM CONTATO PELO WHATSAPP 97594-9228

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Revisão de texto pelo aluno


1. Os alunos serão divididos em duplas para escrever um texto.

2. Antes da atividade a professora deverá revisar o texto de cada dupla para marcar as seguintes questões:
-Palavras que contiverem erros de ortografia;
-Questões relacionadas à separação entre palavras;
-Nas questões relacionadas à linguagem, marque o parágrafo todo e escreva pequenos bilhetes sugerindo alterações.

3. Conte para os alunos que você revisou os textos escritos por eles e marcou o que encontrou de errado. Distribua os textos e explique suas anotações. Diga que sempre há algum erro nas palavras que você sublinhou, e cada dupla precisa pensar bem e discutir entre si, para descobrir a escrita correta – se for preciso, podem consultar o dicionário para ter certeza. Explique que quando os erros são na forma de separar as palavras você escreveu um número em cima, para indicar quantas palavras existem naquela frase. 

4. 
Oriente os alunos para que passem a limpo o texto já revisado. Precisam entender a importância da apresentação do texto – a diagramação, a limpeza, o traçado e a legibilidade das letras – na comunicação com o leitor.

5. À medida que as duplas forem terminando, sugira que façam mais uma leitura; a seguir, leia o texto juntamente com as crianças.


Veja também:
Apostila para trabalhar com os erros ortográficos:

























Entre no site para adquirir a apostila:
https://sites.google.com/site/atividadesdaprofaglauce/3o-4o-e-5o-anos





domingo, 27 de março de 2016

Leitura e interpretação de textos


É importante e necessário que o professor se pergunte quais conhecimentos os alunos já possuem, sempre quando for trabalhar com textos. Esta investigação inicial, orienta o professor para o que se pretende construir. Além disso, passa a conhecer os interesses, expectativas e vivências, pois assim o professor poderá prever se um texto ficará ou não além das possibilidades dos alunos.

Quando o professor tenta dar algumas pistas sobre o texto, está ajudando a construir contextos mentais compartilhados. Desta forma, pode-se garantir uma compreensão compartilhada, os alunos passam a possuir, antes de iniciar a tarefa solicitada, um esquema que lhe diz o que tem que fazer e o que ele sabe ou não sobre o que vai ler ou escrever.


 A explicação sobre o que será lido é importante desde que não se pretenda explicar o conteúdo, mas sim indicar sua temática. Podemos considerar que informar os alunos sobre o tipo de texto e sua estrutura é uma forma de lhes proporcionar conhecimentos úteis.
Em função do texto que vai ser trabalhado, pode-se explicar por exemplo a função das ilustrações, quando acompanham o texto, os títulos, os subtítulos, as numerações, os sublinhados, as mudanças de letras, e etc.

Incentivar e motivar os alunos a exporem o que já sabem muda significativamente os procedimentos do ensino, relativizando o lugar do professor e dos alunos numa determinada situação de ensino e aprendizagem. Quando se deixa os alunos falarem, estamos promovendo um papel ativo na aprendizagem e o papel do professor será a de reconduzir as informações e centrá-las no tema em questão.

Para concluir, vale lembrar que toda leitura e escrita são processos contínuos de formulação e verificação de hipóteses sobre o que sucede no texto. As previsões são estabelecidas antes do trabalho em relação aos aspectos sobre a estrutura textual, títulos, subtítulos, numerações, ilustrações, cabeçalhos e etc. Naturalmente, estes índices ou indicadores textuais nos permitem inferir ou antever conteúdos do texto.

Acredita-se que lidar com variedade de textos sobre cada tipologia textual, assim como vários modelos de tipologias diferenciados, podem confundir os alunos. Diria que ao contrário, pois os alunos estão em suas vidas cotidianas, interagindo com uma ampla variedade de informações, veiculadas pelos mais diversos meios de comunicação. Então o que acontece, de forma natural, é um processo de seleção dos tipos de textos num determinado momento, do que interessa, do que desperta a curiosidade, do que atende às necessidades iminentes.

A quem se interessar, tenho Apostilas de Interpretação de textos para alunos já alfabéticos. Para adquirir entre no meu site:
 https://sites.google.com/site/atividadesdaprofaglauce/3o-4o-e-5o-anos



quinta-feira, 17 de março de 2016

Caça-palavras na alfabetização



O jogo de caça-palavras é um passatempo que consiste de letras arranjadas aparentemente aleatórias em uma grade quadrada ou retangular.

O objetivo do jogo é encontrar e circundar as palavras escondidas na grade tão rapidamente quanto possível. As palavras podem estar escondidas verticalmente, horizontalmente ou diagonalmente dentro da grade.

É uma ferramenta importante para o trabalho com as crianças, o benefício que é que as mentes jovens podem aprender palavras novas e a soletrá-las através da busca intensas procurando-as letra por letra no passatempo.

Escolha os caça-palavras que tenham um tema comum a qual todas as palavras escondidas estão relacionadas. 
Para os alunos silábicos e silábicos-alfabéticos é importante que tenham um banco de palavras para que possam procurá-las.
Já os passatempos, que não tem o banco de palavras, são mais desafiadores para os alunos alfabéticos uma vez que eles terão que descobrir as palavras sem a lista.

Exemplo de caça-palavras com o banco de palavras:


Exemplo de caça-palavras sem o banco de palavras:
Mais caças-palavras aqui:

PARA ADQUIRIR ENTRE EM CONTATO PELO WHATSAPP 97594-9228




quarta-feira, 9 de março de 2016

Trabalhando com parlendas


Trabalhar com parlendas e cantigas é uma atividade muito divertida para os alunos e importante para a alfabetização.
Por isso, não deixe de ouvir e cantar com seus alunos as cantigas folclóricas e recitar as parlendas. Aproveite para brincar com eles de roda cantando, de amarelinha recitando parlendas, de brincadeiras que utilizem estes textos curtos.

Depois proponha atividades com as parlendas e cantigas, brincando com os alunos até se certificar de que já saibam de cor.
Estes textos curtos permitem que a criança estabeleça correspondência entre partes do oral e partes do escrito, ajustando o que sabem de cor à escrita convencional.
Com o texto escrito na lousa e com cópias da letra da música, leia com seus alunos e peçam para eles acompanharem a leitura com o dedo. Faça pausas na leitura e verifique se eles estão acompanhando.
Você também pode pedir para eles localizarem palavras no texto, pintando-as.

Estas atividades de leitura permitem que as crianças leiam antes de saber ler convencionalmente. Desenvolvem habilidades que se referem à aquisição do código linguístico.

Para os alunos já alfabéticos, trabalhe a mesma atividade, mas focando a escrita, pedindo para eles escreverem o texto, pois o desafio para eles é colocar em jogo as questões ortográficas.


Exemplo:


terça-feira, 1 de março de 2016

CRUZADINHAS NA ALFABETIZAÇÃO



Utilize cruzadinhas com o repertório já trabalhado em sala de aula, por exemplo: brinquedos, animais, frutas, nomes dos colegas, entre outros temas.

Converse com os alunos para discutirem como brincar e as regras da cruzadinha.

Faça intervenções. Monte um banco de palavras para ser consultado pelos alunos, se necessário. Lembre-se de que há critérios na construção do banco de palavras.

Nesta atividade, é fundamental agrupar os alunos com hipóteses pré-silábicas ou silábicas com valor sonoro, com os que já produzem escritas silábicas com valor sonoro. Os alunos com hipóteses silábicas com valor sonoro também podem ser agrupados com aqueles que apresentam hipóteses silábico-alfabéticas. 

As cruzadinhas são atividades que colocam em foco a quantidade de letras necessárias para escrever uma palavra e também quais letras utilizamos em função do "cruzamento" das palavras. Por isso, é uma ótima atividade para alunos com hipótese de escrita silábica e silábico-alfabética, pois os instigam a refletir sobre quais e quantas letras utilizar nas escritas das palavras.Para os alunos com hipótese de escrita alfabética, o desafio está na ortografia, ou seja, saber com quais letras escrever as palavras, considerando que muitos sons são grafados de diferentes formas, assim como várias letras representam sons diferentes. Para alunos com hipótese de escrita pré-silábica, a atividade terá desafio se puderem fazê-la com os alunos que já estão pensando na relação entre a escrita e a fala, considerando o valor sonoro. Caso contrário, vão apenas preencher os quadrinhos com letras aleatórias, o que não é nada satisfatório.

Exemplo de cruzadinha com banco de palavras:



Outras cruzadinhas:



terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O que um professor precisa saber para trabalhar a alfabetização construtivista?


1. Compreender os diferentes níveis de escrita em que os alunos se encontram. Qual fase da escrita estão os alunos: pré-silábica, silábica, silábica-alfabética,alfabética. 

2. A partir da compreensão das fases de escrita, você pode iniciar o trabalho com a sondagem da escrita , ou seja, o que a criança já pensa a respeito da escrita. Este diagnóstico vai ser importante para você conhecer seus alunos. Faça uma análise de cada criança e procure saber em qual fase ela se encontra nesse processo de aquisição da escrita. 

3. Com essa sondagem você poderá propor atividades que favoreçam a reflexão da criança sobre a escrita, porque é pensando que ela aprende. Utilize atividades com palavras significativas, como os nomes dos alunos (ver postagens dos dias ), listas, cruzadinhas, textos curtos e de memória.  A mesma atividade  pode ser trabalhada com todos os alunos, mas o desafio deve ser diferente para cada fase da escrita. 

4.Faça intervenções para que os alunos possam pensar sobre o que está escrevendo, levando-os a entrarem em conflito sobre suas hipóteses de escrita por meio das reflexões das mesmas e a avançarem no seu processo de ensino-aprendizagem.


5. Faça a sondagem  a cada bimestre e anote em uma planilha a fase de escrita que estão seus alunos. Assim você pode acompanhar os avanços de aprendizagem da escrita dos alunos. 

-----Procure as postagens no blog  referentes às fases da escrita e ao trabalho com cada uma delas.


sábado, 20 de fevereiro de 2016

Fases de aquisição da escrita














As fases de aquisição da escrita pelos alunos, segundo Emília Ferreiro, são:

1) fase pré-silábica

2) fase silábica


3) fase silábica-alfabética

4) fase alfabética


Cada fase com suas características:

1) Fase pré – silábica


- Sabe que a escrita é uma forma de representação;

- Pode usar letras ou pseudoletras, garatujas, números;

- Não compreende que a escrita é a representação da fala;

- Organiza as letras em quantidade ( mínimo e máximo de letras para ler);

- Vai direto para o significado, sem passar para sonora;

- Variação de letras – ALSI (elefante);

- Relaciona o tamanho da palavra com o tamanho do objeto (Realismo Nominal).


2) Fase silábica


A) Sem valor sonoro:


- Ainda não faz relação com o som com a grafia.


- Usa uma letra para representar cada sílaba, sem se preocupar com o valor sonoro.

Exemplos:


BOLA __PT

CAVALO___BUP


B) Com valor sonoro:

- A escrita representa a fala;

- Percebe a relação de som com a grafia;

- Escreve uma letra para cada sílaba.

Exs.:

BOLA____OA ( valor sonoro só nas vogais )

BOLA____BL ( só usa consoantes )



3) Fase silábica-alfabética

- Apresenta a escrita algumas vezes com sílabas completas e outras incompletas;

- Alterna escrita silábica com alfabética.

Exs.:

CAVALO_____CVLU

TOMATE_____TOMT


4) Fase alfabética

- Faz a correspondência entre fonemas (som) e grafemas (letras);

- Escreve como fala.

Exs.:

CAVALO _______KAVALU

TOMATE_______ TUMATI


"... A minha contribuição foi encontrar uma explicação segundo a qual, por trás da mão que pega o lápis, dos olhos que olham, dos ouvidos que escutam, há uma criança que pensa"
(Emília Ferreiro)



Veja também:
Atividades de alfabetização de acordo com as fases da escrita:
https://sites.google.com/site/atividadesdaprofaglauce/1o-e-2o-anos

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

COMO TRABALHAR O ALFABETO


Conhecer os nomes das letras é fundamental para os alunos que estão se alfabetizando, pois em alguns casos eles fornecem pistas sobre um dos sons que elas podem representar na escrita. Além disso, os alunos tem de conhecer a forma gráfica das letras e a ordem alfabética.
Essa aprendizagem, porém, pode ocorrer de forma lúdica e divertida por meio de jogos, parlendas e adivinhas.

Você pode:
-Achar as letras do alfabeto junto com os alunos, transformando esse momento de organização do espaço da sala de aula também em um momento de aprendizagem.
-Fazer uma ficha com o alfabeto completo em letra bastão para que os alunos a colem em seu caderno.
-Fazer um marcador de livro ou ficha avulsa com o alfabeto completo para que possam consultá-lo sempre que precisar.
-Organizar atividades de completar as letras do alfabeto, utilizando suportes variados: o alfabeto achado na sala de aula, cobrindo algumas das letras com um pedaço de papel e/ou uma tabela com a seqüência do alfabeto incompleta (produzida no computador ou mimeografada).
-Propor que os alunos analisem quais são as letras que compõem seu nome, os nomes dos colegas e o do professor. A atividade poderá, inicialmente, ser feita de forma coletiva, e, depois, com os alunos reunidos em duplas ou em grupos. Comece escrevendo seu nome na lousa e, junto com a turma, analise quais as letras que o compõem. Mostre quais são essas letras, destacando aquelas que aparecem mais de uma vez. Depois, em duplas, os alunos deverão analisar quais letras fazem parte do próprio nome, utilizando como suporte o crachá.
-Ensinar os alunos a “cantarolar” o alfabeto, de modo que memorizem a sequência das letras, ainda que não conheçam sua forma gráfica. Esse procedimento vai ajudá-los a reconhecer os nomes das letras, facilitando a aprendizagem.
-Cantar músicas que envolvem o alfabeto também é uma ótima estratégia.

As atividades com o alfabeto devem acontecer apenas enquanto houver alunos que não sabem os nomes das letras. Depois disso, elas perdem a função.


Ter o alfabeto de parede na sala de aula é importante, pois é um recurso que serve de apoio aos alunos.

Para download o alfabeto de corujas. É só clicar na imagem e salvar.


 

  



 











APOSTILA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL
PARA ADQUIRIR ENTRE EM CONTATO PELO WHATSAPP 97594-9228




Seguidores